Governo vai decidir perdão de R$ 1 bilhão em dívida de igrejas

BRASÍLIA — No momento em que busca consolidar uma base de apoio no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro tem até sexta-feira para decidir se sanciona ou veta trecho de um projeto de lei que concede um perdão bilionário a igrejas e templos. A proposta, apresentada pela bancada evangélica, beneficia instituições religiosas que hoje devem quase R$ 1 bilhão em dívidas previdenciárias e tributárias, ao anular multas aplicadas pelo não pagamento de contribuições que incidem sobre a remuneração de pastores e líderes.

A medida, que vinha sendo negociada desde o ano passado, foi apresentada pelo deputado federal David Soares (DEM-SP), filho do missionário R.R. Soares, líder da Igreja Internacional da Graça de Deus. O parlamentar incluiu a proposta em um projeto de lei que trata sobre regras para pagamento de precatórios. A manobra foi revelada ontem pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.

O Globo/ Marcello Corrêa

Eduardo Paes, ex-prefeito do Rio, é alvo de busca e apreensão e vira réu em investigação sobre corrupção

A casa do ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) foi alvo de um mandado de busca e apreensão na manhã desta terça-feira (8). O imóvel fica em São Conrado, Zona Sul da cidade. A ordem foi expedida pelo juiz Flavio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 204ª Zona Eleitoral.

Itabaiana também aceitou uma denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e tornou Paes e outros quatro investigados réus por crimes de corrupção, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Ainda não foram divulgados detalhes da investigação.

A aceitação da denúncia pela Justiça Eleitoral não impede Paes de concorrer à Prefeitura do Rio nas eleições deste ano – a candidatura do ex-prefeito foi oficializada na semana passada.

Agentes do MPRJ estiveram na casa de Paes e, por volta das 7h30, saíram com documentos.

A assessoria do ex-prefeito disse ao G1 às 10h35 que se manifestaria oportunamente.

Outro processo

Em março deste ano, Paes virou réu na Justiça Federal por corrupção passiva, fraude em licitação e falsidade ideológica. Acusação é relacionada a suposto direcionamento na licitação para a construção do Complexo de Deodoro para as Olimpíadas de 2016.

A 3ª Vara Federal aceitou a denuncia nesta quinta-feira (26). Segundo a denúncia, quase R$ 120 milhões foram desviados numa das principais obras para as Olimpíadas.

Para o Ministério Público Federal, houve uma intenção deliberada de restringir ao máximo a participação de diferentes empresas na concorrência.

Na ocasião, Paes disse que a denúncia era “absurda” e que em nenhum momento os procuradores o acusam de receber valores de qualquer natureza.

Candidatura lançada

“É com muita alegria que recebi a indicação do Democratas a oficialização da minha candidatura à Prefeitura do Rio. Agradeço a confiança do partido e de suas lideranças”, afirmou Eduardo Paes.

Por Arthur Guimarães, Marco Antônio Martins e Mariana Queiroz, TV Globo, G1 Rio e GloboNews

Corinthians espera mais de R$ 140 milhões de “socorro” e deve quitar parte dos salários nesta terça

Corinthians vive uma semana decisiva para sua melhora de fluxo de caixa e deve quitar parte das pendências com o elenco nesta terça-feira, dois dias antes do clássico contra o Palmeiras, marcado para quinta, às 19h15 (de Brasília), na Neo Química Arena.

De acordo com o diretor financeiro do clube, Matias Romano Ávila, o Timão receberá os R$ 25,7 milhões pela venda de Carlos Augusto ao Monza, da Itália, já nesta terça-feira. O Corinthians repassou 40% dos direitos econômicos do jogador ao clube italiano.

Ainda segundo Matias, é nesta semana também que o Corinthians receberá os R$ 117 milhões pela venda de Pedrinho ao Benfica, de Portugal. O valor total da venda foi antecipado pela diretoria junto a um banco alemão.

Somados os dois negócios e se tudo se confirmar, serão mais de R$ 142 milhões em caixa nesta semana.

É com esse dinheiro que o Corinthians deve quitar duas folhas salariais atrasadas. Os meses de março, junho e julho ainda não foram pagos. Nesta terça, vence também o salário de agosto. A diretoria trata como “certeza” o pagamento de parte dos vencimentos aos jogadores nesta semana.

Bastidores

A diretoria trata a negociação com o banco alemão como uma antecipação de caixa e não de receitas futuras, pois o jogador já foi repassado ao clube português. Por isso, não foi pedido nem a anuência do Cori e nem do Conselho Deliberativo do clube para realizar a operação.

A venda do jogador, que chegaria a 20 milhões de euros (R$ 131 milhões, na cotação de hoje), caiu para 18 milhões de euros (R$ 117 milhões) depois de um novo acordo entre os clubes. O Benfica só pagará a primeira parcela em agosto do ano que vem.

O Corinthians havia se comprometido a contratar Yony González por 2,8 milhões de euros no fim de seu contrato de empréstimo, mas se apoiou em um gatilho do contrato para devolvê-lo ao Benfica antes do atacante completar cinco jogos.

A devolução gerou irritação na diretoria do Benfica e fez com que o acordo fosse refeito. O Corinthians entende que se saiu bem na negociação em função das altas taxas cambiais. O empresário de Pedrinho, Will Dantas, aceitou receber os 30% do valor da transferência que tem direito em 2021.

Por Ana Canhedo — São Paulo

Kia diz que Philippe Coutinho não sairá do Barcelona apesar do interesse de Arsenal e Tottenham

Apesar de ser especulado quase todos os dias em clubes da Inglaterra, como Arsenal, Tottenham e Leicester, Phillippe Coutinho seguirá no Barcelona. Pelo menos é o que garante Kia Joorabchian, empresário do brasileiro.

Em entrevista ao programa de TV britânico “Talk Sport”, o agente falou sobre a vontade de Coutinho em brilhar no Camp Nou.

– Koeman telefonou logo após a (final da) Liga dos Campeões (vencida pelo Bayern de Munique que contava com Coutinho) e disse que está totalmente nos planos. Tanto que ele devia voltar aos treinos somente no último dia 7, mas resolveu voltar antes, no início de setembro, porque não queria perder o ímpeto e a forma física – disse Kia.

Questionado sobre se Coutinho ficou constrangido em ter feito dois gols sobre o Barcelona no 8 a 2 aplicado pelo Bayern nas semis da Champions, Kia afirmou:

– Bem, você tem que fazer o seu trabalho e ele fez trabalho dele perfeitamente, e provavelmente esse é o motivo porque o Barcelona o quer tanto de volta.

Por Redação do ge — Barcelona, Espanha

Líder da oposição de Belarus pede liberação de aliada presa na fronteira com a Ucrânia

A líder da oposição bielorrussa no exílio, Svetlana Tikhanovskaya, pediu nesta terça-feira (8) a liberação imediata de sua colaboradora Maria Kolésnikova, de 38 anos. Ela foi detida na segunda-feira (7) na fronteira com a Ucrânia em um momento em que aumenta a repressão contra os críticos do presidente de BelarusAlexander Lukashenko.

Kolésnikova, que integra o “Conselho de Coordenação” da oposição, criado para preparar o caminho para uma transição política no país, é uma das poucas opositoras que permanecem no país. Na segunda-feira (7), testemunhas disseram que ela tinha sido levada por homens não identificados em um carro, mas a sua prisão não foi confirmada pelas autoridades.

Nesta terça, o porta-voz da Guarda de Fronteiras, Anton Bytchkovski, afirmou à AFP que Kolesnikova foi detida quando tentava atravessar a fronteira da Ucrânia com outros dois integrantes do Conselho Coordenação, Anton Rodenkov e Ivan Kravtsov. Os dois conseguiram entrar no país vizinho.

“Maria Kolésnikova deve ser libertada imediatamente, assim como todos os membros do Conselho de Coordenação [para a transferência pacífica do poder] e presos políticos anteriormente detidos”, afirmou Tikhanovskaya, exilada na Lituânia.

“Você não pode manter pessoas como reféns. Ao sequestrar pessoas em plena luz do dia, Lukashenko mostra sua fraqueza e medo”, declarou Tijanóvskaya por meio de sua assessoria de imprensa em um canal do Telegram.

A ex-candidata à presidência, que denuncia fraude na eleição de 9 de agosto, afirmou que a função do Conselho de Coordenação é ser uma plataforma para negociações. “Não há outra solução e Lukashenko deve perceber isso”.

Exílio

Além de Svetlana Tikhanovskaya, que está na Lituânia, outros nomes importantes da oposição buscaram refúgio no exterior por temor de serem presos.

Olga Kovalkova, que integra o Conselho de Coordenação, viajou à Polônia depois de receber ameaças do serviço de inteligência de Belarus.

Verónika Tsepkalo, diretora da campanha do marido, Valeri Tsepkalo, juntou-se a ele e deixou Belarus.

Duas lideranças importantes da oposição, o jurista Maxim Znak e a escritora Svetlana Alexievich, Prêmio Nobel de Literatura, seguem em Belarus.

6ª reeleição contestada

Alexander Lukashenko, de 66 anos, governa Belarus desde 1994. A oposição acusa o governo de fraudar o resultado da votação de 9 de agosto em que ele foi reeleito pela 6ª vez. Desde então, o país vive uma onda inédita de protestos. Até o momento, o chefe de estado descarta qualquer tipo de diálogo.

Desde o início das manifestações, mais de 7 mil pessoas foram detidas. De acordo com o Ministério do Interior, na segunda-feira (7), 363 pessoas continuavam em detenção provisória e aguardavam a análise de seus casos pelos tribunais.

No domingo (6), apesar da grande presença das forças de segurança, mais de 100 mil pessoas saíram às ruas do centro da capital, Minsk, quarto fim de semana consecutivo de mobilização desde a polêmica reeleição. Outras manifestações aconteceram em cidades como Grodno ou Brest (oeste). Mais de 600 pessoas foram detidas.

Os países europeus não reconheceram os resultados das eleições e preparam sanções contra importantes autoridades bielorrussas.

Lukashenko que, antes da eleição criticou as tentativas de “desestabilização” de Moscou, agora denuncia um “complô” ocidental e tenta se aproximar da Rússia, seu tradicional aliado e parceiro econômico.

Por G1

Bachelet pede investigação russa ‘independente’ sobre envenenamento de Navalny

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, pediu nesta terça-feira (8) uma investigação “independente e imparcial” por parte das autoridades russas sobre o “crime muito grave” cometido contra o opositor Alexei Navalny. As autoridades russas negam qualquer envolvimento no caso.

Especialistas alemães afirmam que Navalny, de 44 anos, foi envenenado com uma substância do tipo Novichok, agente neurotóxico desenvolvido pela União Soviética para uso militar. O principal opositor do Kremlin, que passou mal a bordo de um avião em agosto, foi transferido de um hospital da Sibéria para Berlim. Na segunda-feira (7), ele deixou o coma induzido.

Bachelet afirmou, em um comunicado, que “negar a necessidade de uma investigação completa, independente, imparcial e transparente sobre essa tentativa de assassinato não constitui uma resposta adequada”.

“Cabe às autoridades russas investigar em profundidade quem foi o responsável por este crime muito grave cometido em solo russo”, acrescentou.

Bachelet disse ainda que agentes neurotóxicos como o Novichok e Polônio-210 são substâncias sofisticadas extremamente difíceis de se obter.

“Isso levanta muitas questões. Por que usar substâncias como essas? Quem as usa? Como as conseguiram?”, indagou.

Durante uma entrevista coletiva da ONU, em Genebra, o porta-voz de Bachelet, Rupert Colville, disse que “não estar em posição de fazer acusações diretas” ao ser questionado sobre os culpados.

Taj Mahal vai reabrir as portas apesar do avanço da pandemia na Índia

O Taj Mahal, principal atração turística da Índia, reabrirá as portas em 21 de setembro com várias restrições sanitárias apesar do avanço da pandemia de Covid-19 no país.

O secretário executivo do ministério do Turismo no estado de Uttar Pradesh, Amit Srivastava, afirmou à AFP que “todos os protocolos relacionados à Covid-19 serão aplicados, como as máscaras e o distanciamento físico”.

O monumento, que ficou mais de seis meses fechado devido à crise do novo coronavírus, reabrirá com um número de visitantes limitado a 5 mil por dia. Antes da pandemia, a média diária habitual era de quase 20 mil pessoas.

A Índia, segundo país mais populoso do planeta com 1,3 bilhão de habitantes, superou o Brasil e agora ocupa o segundo lugar em número de casos (4,2 milhões), atrás apenas dos Estados Unidos.

Por G1

Flamengo: Dome não consulta atletas sobre rodízio e quebra outro mandamento de Jorge Jesus

No mata-mata da Libertadores-2019, o Flamengo de Jorge Jesus enfrentou Internacional e Grêmio. Contra o primeiro adversário, pelas quartas de final, divulgou uma lista de relacionados sem Gabigol, mas o atacante foi para o jogo. Diante do tricolor gaúcho, na semifinal, Arrascaeta chegou a ser descartado após lesão no joelho, mas atuou na partida de volta no Maracanã, vencida por 5 a 0.

Em comum, uma regra considerada de ouro que o novo treinador, Domènec Torrent, não deu continuidade, o que tem deixado alguns atletas contrariados – entre eles a dupla citada. A opinião dos jogadores vinha sendo soberana para as decisões sobre escalação e rodízio. Não é mais assim.

Foi exatamente o que aconteceu antes do jogo com o Fortaleza. Sem lesão no tornozelo, Gabigol treinou normalmente e informou ao treinador e sua comissão que estava bem para jogar. O artilheiro chegou a se dizer preparado em suas redes sociais. Era o suficiente para entrar em campo nos tempos do comando português.

Com o espanhol Domènec Torrent, porém, apenas ele e seus auxiliares decidem a escalação. E se baseiam nas próprias impressões sobre o desempenho dos jogadores para preservá-los por questoes físicas. Nem o Centro de Excelência em Performance do Flamengo tem peso nas decisões. Os profissionais do departamento médico do clube não influenciam no rodízio e na escolha de quem será sacado. Apenas situações em que os atletas se queixam de algo mais grave são repassadas para a comissão técnica de Dome.

Caso o atleta relate que está se sentindo bem e não haja indício de nenhum problema, os médicos se isentam de alguma indicação. E o treinador decide o que fazer. Ao lado dos auxiliares Jordi Guerrero, Jordi Gris e do preparador físico Julián Jimenez.

Prevenção de lesões

Desde que o CEP Fla se estruturou com um plano de prevenção de lesões, entre 2016 e 2017, as interferências nas decisões da comissão técnica têm sido cada vez menores. Começou a diminuir com o técnico Reinaldo Rueda. Com Jorge Jesus, o conceito de poupar jogadores caiu por terra de vez. As decisões eram baseadas no que os atletas diziam para o treinador. Houve mais de uma vez em que os exames apontavam lesão, mas os jogadores se sentiam bem e iam para os jogos.

Os resultados de 2019 deram ainda mais força para a decisão soberana do técnico e de sua comissão. Mas agora elas partem de uma premissa diferente, em que a participação do jogador não conta a mesma coisa. O rodízio implementado por Dome também não veio apenas pela análise do clube do cenário de jogos desgastante. Foi o próprio técnico quem avaliou o calendário e determinou a implementação de tal filosofia, que até agora deu resultados.

Há seis jogos sem perder, o Flamengo se tornou competitivo, sem dúvida. Mas nesse período acumula quatro lesões musculares. Duas graves, de Pedro Rocha e João Lucas, e duas leves, de Gabigol e Rodrigo Caio. Ou seja, mesmo rodando o elenco e descansando alguns jogadores, as perdas têm sido inevitáveis.

Outro aspecto que dificulta que o trabalho de Dome seja melhor aceito internamente é que o rodízio não permite que os poucos dias de treinamento sejam aproveitados. Como troca o time em todos os jogos, é só ali que aquela formação é treinada. O que atrasa ainda mais a absorção das ideias de jogo de forma individual e coletiva.

O elenco do Flamengo tem se mostrado aberto aos novos conceitos, mas as conversas com a comissão técnica ainda não abordaram claramente essa diferença na forma como a opinião dos atletas é levada em consideração. Dome logo que chegou propôs uma reunião e ouviu sugestões sobre os métodos de treinamento. Talvez esteja na hora de outro bate-papo.

Ibope: para 83% de entrevistados, população deve usar máscaras e adotar regras de prevenção contra a Covid-19

Uma parcela de 83% dos brasileiros diz concordar que as pessoas têm o dever de respeitar os protocolos de segurança para a contenção da Covid-19, como o uso de máscaras faciais em locais públicos. A conclusão é de uma pesquisa de opinião do Ibope encomendada pelo GLOBO. Desse total, 72% disseram que concordam “totalmente” com a afirmação acima, e 11%, “parcialmente”.

A opinião variou entre subgrupos da pesquisa, por exemplo, com mais indivíduos situados à esquerda do espectro ideológico declarando apoio à exigência de medidas de proteção contra o coronavírus (91%) do que aqueles que se descreviam como de direita (78%).

Os números declarados da aceitação à prevenção, porém, contrastam com o cenário visto neste final de semana prolongado no Rio de Janeiro e em outras cidades, onde bares e praias tiveram grandes aglomerações, e a parcela da população que não usa máscara ainda é bastante perceptível.

A pesquisa ouviu 2.626 indivíduos maiores de 18 anos e restringiu-se ao universo das classes A, B e C. As respostas foram colhidas pelo painel de internautas do Ibope Inteligência, entre 21 e 31 de agosto, em todas as regiões do país. A amostragem representa um universo de cerca de 70% da população brasileira, segundo relatório do Ibope.

Globo/ Rafael Garcia

Governo de SP autoriza reabertura de escolas para atividades de reforço a partir desta terça-feira

As escolas públicas e privadas do estado de São Paulo podem reabrir a partir desta terça-feira (8) para aulas de reforço escolar, tutoria e atividades esportivas em regiões que estejam na fase amarela do plano de flexibilização econômica há, pelo menos, 28 dias. Já a retomada das aulas presenciais está prevista para dia 7 de outubro em todo o estado.

Apesar da autorização do governo do estado, cada prefeitura possui autonomia de decidir se as escolas vão reabrir, ou não, em suas cidades. Segundo o último levantamento da Secretaria Estadual de Educação, apenas 128 dos 645 municípios de SP devem reabrir para as atividades de reforço nesta terça. Já as 39 cidades da região metropolitana, que inclui a capital paulista, não devem reabrir as escolas na data autorizada pelo governo do estado.

Segundo o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, as aulas devem começar a voltar lentamente no estado. No entanto, ele ressaltou que caso as aulas presenciais voltem em 7 de outubro, a decisão de retorno será opcional aos pais, alunos e demais instituições de ensino.

“Acho que a gente tem que começar a voltar lentamente. A gente tem ainda a decisão sobre outubro, nós temos a previsão de volta às aulas para o dia 7 de outubro, ainda temos que cumprir algumas condicionalidades do mês de setembro, não temos ainda nem a certeza a volta às aulas em outubro, estou falando de atividades curriculares que, se voltar, não serão obrigatórias aos alunos na primeira etapa estarem presencialmente”, afirmou na manhã desta terça (8) em entrevista ao Bom Dia SP.

Para que as aulas presenciais retornem em outubro, todo o estado de São Paulo deve estar no amarelo em setembro. “Nós temos que ter certeza que será o momento adequado. Se não for, a prioridade é salvar vidas”, disse Rossieli.

Segundo a Secretaria da Educação, ainda que os prefeitos autorizem a reabertura das escolas para aulas de reforço, cada instituição de ensino possui autonomia para ver suas demandas e necessidades específicas e assim optar por reabrir, ou não, sempre dialogando com a comunidade escolar.