Suspeita de ter roubado laptop de Nancy Pelosi durante invasão ao Capitólio é presa nos EUA

Uma mulher acusada de roubar um computador da presidente da Câmara de Deputados, Nancy Pelosi, durante a invasão ao Congresso dos Estados Unidos, em 6 de janeiro deste ano, foi presa por autoridades federais na segunda-feira (18).

A acusada se chama Riley June Williams. Como ainda não é claro se ela realmente roubou o computador, por enquanto, ela foi presa pela invasão e por baderna.

O FBI afirmou, no domingo, que há um vídeo dela levando um laptop ou um hard drive do gabinete de Nancy Pelosi, e que investigava se Williams estava tentando vender o material para agentes de inteligência da Rússia.

1.00

Invasão ao Capitólio nos EUA — Foto: AFP/Reprodução/GloboNews/AP

A agência diz que recebeu uma denúncia de uma pessoa que diz ter sido parceira romântica de Williams.

Esse informante disse que Williams tinha planos para enviar o material a um amigo na Rússia que iria vendê-lo ao serviço de inteligência russo, o SVR.

“A transferência do computador para a Rússia não deu certo por razões desconhecidas, e Williams ainda tem o material ou o destruiu”, disse o FBI em um documento protocolado na Justiça.

A investigação ainda está aberta.

O jornal “The New York Times” relatou que Williams se entregou na segunda-feira. Não se sabe quando será a audiência.

Segundo o FBI, antes de se entregar, Williams desativou seu número de telefone, saiu das redes sociais e fugiu da casa da mãe, onde ela morava.

Depois da invasão ao Congresso, no dia 6 de janeiro, há uma preocupação com o roubo de computadores ou dispositivos eletrônicos de deputados, senadores e suas equipes.

Mais de 90 pessoas já foram presas desde a invasão, que foi instigada por Donald Trump.

Os invasores tentavam impedir a certificação da vitória eleitoral do presidente eleito Joe Biden. Muitos gravaram vídeos e fotos de si próprios participando dos atos violentos.

Trump sofreu um impeachment na semana passada pela Câmara por incitar a insurreição e, agora, enfrenta julgamento no Senado.

https://s2.glbimg.com/jYW-PUgQByjO_taKAMjHYT9TKig=/0x0:566×316/600×0/smart/filters:gifv():strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2021/s/V/MDdUkJR8iHVBAWmXqbTg/juliacapitolio03-1-.gif

Comunitário, Presidente Carlão quer Câmara mais acessível e próxima da população

Em seu quarto mandato como vereador, Carlos Augusto Borges, conhecido como Carlão, assume a presidência da Câmara de Vereadores de Campo Grande e pretende trazer para o dia a dia da Casa de Leis a essência de seu trabalho: Comunitário Mesmo! A ideia é trabalhar em conjunto com vereadores para esse perfil mais popular do local que denomina como Casa do Povo.

O presidente pretende ter uma Câmara harmônica e independente, priorizando os interesses da população. Nesta fase de pandemia de Covid-19, a saúde terá atenção especial. De origem comunitária e vindo da periferia, Carlão quer focar nas ações que interferem na vida das pessoas e, buscar ao máximo, aproximar a população do Legislativo Municipal.

Em entrevista à Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal de Campo Grande, o presidente Carlão destacou como será seu mandato como vereador e presidente da Casa de Leis. Confira abaixo os principais trechos da entrevista:

Que palavra o senhor escolheria para definir sua presidência?

Carlão: Popular

Como presidente, quais medidas o senhor pretende implantar já de imediato na sua liderança à frente da Casa de Leis?

Nas primeiras ações estamos organizando a parte administrativa e humana da Casa de Leis. Com esse perfil mais popular, estamos auxiliando os novos vereadores e os reeleitos para que possamos, assim que retomadas as sessões em fevereiro, atender com celeridade e eficiência toda Campo Grande. A questão da saúde, especialmente a pandemia, merece ser tratada como prioridade. Por isso, vamos auxiliar o Executivo em todos os projetos que vierem à Casa sobre o tema.

Em seu quarto mandato como vereador, no que o senhor avalia que a Câmara de Vereadores precisa avançar?

Com toda certeza na proximidade com a população. Precisamos tanto levar o Poder Legislativo aos bairros, quanto trazer a população de volta para a Casa do Povo. Não existe sentido de a Câmara não ser totalmente aberta e acessível à população. Somos o Poder mais próximo da população e para sermos totalmente eficazes, devemos estar atentos, com a participação constante do povo.

Como o senhor avalia que será esta nova legislatura?

Acredito que será plural e participativa. Tenho percebido esse perfil da nova composição da Câmara, tanto por parte dos reeleitos, quanto dos novos pares.

Para o senhor, como será a representação feminina na Casa de Leis tendo apenas uma vereadora?

Infelizmente temos apenas uma vereadora nesta nova legislatura. Mas pelo que percebi Camila Jara terá uma atuação intensa e engajada nas lutas das mulheres e minorias. Ela é  jovem e vem com todo gás necessário para fazer a diferença. Desejo a ela sucesso nessa empreitada.  Tenho vários projetos voltados para a defesa das mulheres, tanto no combate à violência, quanto nas áreas da saúde e educação. Minha equipe de trabalho é, em sua grande maioria, feminina e conheço bem a força da mulher na sociedade.

Como deve ser a relação da Câmara de Vereadores com a Prefeitura nos próximos quatro anos?

Harmônica e independente, sempre priorizando os interesses da população. Cobrando as demandas prioritárias dos campo-grandenses. Fiscalizando a eficiência das ações do Executivo.

Quais serão as medidas que a Câmara e a nova Mesa Diretora devem adotar com relação à pandemia?

Vamos cumprir todos os protocolos indicados pelas autoridades em Saúde. Manter o distanciamento. Em fevereiro, quando formos abrir os trabalhos em Plenário, iremos reunir e definir quais as novas medidas a serem tomadas.

Quais as bandeiras o senhor pretende defender durante seu mandato como presidente e como vereador?

Minha bandeira prioritária é a população, principalmente das periferias. Causas fundamentais como a saúde, emprego, habitação, educação e segurança sempre foram foco da minha atuação e vão permanecer. Sou de origem comunitária e venho da periferia, conheço de perto as consequências da ausência ou ineficiência do Poder Público. Por isso, tenho como meta fazer o que é prioridade e que interfere diretamente na vida das pessoas.

Haverá alguma mudança na Casa de Leis com relação às sessões? Elas continuarão fechadas ao público?

Por enquanto estamos vivendo uma fase complicada da pandemia e temos decretos para evitar aglomerações. Nossas sessões retornam em 18 de fevereiro. Se até lá a situação estiver resolvida com certeza abriremos a Casa do Povo. Mas, infelizmente, hoje não podemos afirmar nada. Acredito que após o período de vacinação, conseguiremos retornar com sessões públicas, inclusive com sessões comunitárias nos bairros e instituições.

Como o senhor pretende aproximar a Casa de Leis da população? E como incentivar a participação popular?

Estimulando o povo a vir à Câmara, facilitando o acesso da população a Casa de Leis, aos gabinetes. Ao público em geral que acessem as redes sociais e site oficial da Casa, sessões abertas, sessões comunitárias e itinerantes. Audiências públicas e eventos com a participação popular. Fazendo campanhas que conscientizem a população sobre a importância de participar da Câmara e de todos os debates do Poder Legislativo. Também para que cobrem e sugiram aos seus representantes as demandas da sociedade.

O que a população de Campo Grande pode esperar da Câmara de Vereadores tendo como presidente o vereador Carlão?

Muito trabalho e dedicação para fazer o melhor a nossa população. Sou assíduo, acessível e constante. Vou permanecer atendendo o povo e me dedicando incansavelmente aos campo-grandenses. Considero que o vereador é um servidor público, um despachante do povo para resolver os problemas do dia-a-dia e também os grandes entraves da sociedade. Não existe milagre em política, são necessários recursos, por isso não prometo facilidades. Ainda mais no Poder Legislativo, em que não detemos a caneta para executar. Mas garanto que vamos Legislar, Reivindicar as prioridades e Fiscalizar o Executivo. Fazer nosso papel com resultados concretos, porque a população está cansada de discursos fáceis. 

Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

Justiça da Tailândia condena mulher a 43 anos de prisão por insulto ao rei

Um tribunal da Tailândia condenou nesta terça-feira (19) uma ex-funcionária pública a uma pena recorde de 43 anos e 6 meses de prisão por violar a lei do país que proíbe insultar ou difamar a monarquia.

O Tribunal Criminal de Bangcoc considerou a mulher culpada por lesa-majestade, por publicar no Facebook e no YouTube com comentários considerados críticos à monarquia.

A sentença original era de 87 anos de prisão, mas o tribunal reduziu a pena pela metade após a ré assumir a culpa pelos crimes.

A ONG Advogados Tailandeses pelos Direitos Humanos identificou a mulher apenas pelo seu primeiro nome, Anchan, e disse que ela tem cerca de 60 anos.

O veredicto do tribunal de hoje é chocante e envia um sinal de arrepiar, de que não só as críticas à monarquia não serão toleradas, mas também serão severamente punidas”, afirmou Sunai Phasuk, pesquisador sênior da ONG Human Rights Watch.

A lei de lesa-majeste da Tailândia, conhecida como Artigo 112, prevê pena de prisão de três a 15 anos por acusação. Qualquer cidadão pode denunciar alguém pelo crime, e a lei tem sido usada para punir coisas simples como curtir uma postagem no Facebook.

A punição por críticas públicas à monarquia era extremamente rara, mas isso mudou em 2020, quando jovens manifestantes passaram a protestar e pedir por reformas democráticas no país.

Manifestantes carregam patos de borracha, símbolo dos protestos na Tailândia, em ato contra o regime tailandês em Bangcoc — Foto: Sakchai Lalit/AP

Manifestantes carregam patos de borracha, símbolo dos protestos na Tailândia, em ato contra o regime tailandês em Bangcoc — Foto: Sakchai Lalit/AP

Autoridades prenderam e acusaram de lesa-majestade cerca de 50 pessoas desde novembro, e o movimento perdeu força com as detenções e novas restrições a reuniões públicas devido ao aumento de casos de coronavírus.

“As autoridades tailandesas estão usando as acusações lesa-majestade como último recurso em resposta ao levante democrático liderado por jovens que querem restringir os poderes do rei e mantê-lo dentro dos limites do regime constitucional”, diz Sunai Phasuk.

China evita impor lockdown em país inteiro para combater segunda onda

China enfrenta surtos de Covid-19 no nordeste do país, mas dessa vez, o país evita paralisar o território inteiro, como fez no ano passado.

Depois de controlar as infecções pelo coronavírus, houve um aumento de casos desde o início do ano. Recentemente, os números subiram para mais de cem por dia, o que aumentou o temor de um surto em grande escala.

O Ano Novo Chinês acontece em fevereiro, e as autoridades precisam decidir como vão gerenciar os deslocamentos durante o feriado.

Na província de Hebei, que circunda Pequim, houve centenas de infecções nas últimas duas semanas. Lá, as autoridades foram instruídas a elaborar planos individuais para cada comunidade.

A cidade de Pequim não vai impor nenhuma regra sobre as viagens de Ano Novo Chinês, e vai delegar às autoridades provinciais e às empresas as decisões sobre o que fazer no feriado.

Mais de 20 regiões de nível provincial pediram às pessoas que permanecessem no local durante o feriado, mas evitaram a proibição.

As regras e diretrizes variam e mudam frequentemente, mesmo dentro das cidades.

Embora tenham sido instados a não agirem excessivamente, os governos locais nas regiões mais afetadas introduziram frequentemente medidas draconianas para fechar as rotas de transmissão do Covid-19.

“Os detalhes das restrições são deixados para as autoridades locais darem corpo, o que significa que se algo der errado, eles suportarão o impacto da ira do povo e do governo central”, disse Yifei Li, professor da New York University Shanghai que estuda as políticas ambientais e de saúde pública da China.

O que fez o São Paulo cair de rendimento? Comentaristas analisam momento do líder

Após abrir sete pontos de vantagem na ponta do Campeonato Brasileiro no fim de 2020, o São Paulo iniciou 2021 com duas derrotas e um empate e viu o Internacional tirar a diferença para apenas um ponto na vice-liderança (57 pontos x 56 pontos).

Em momento difícil, é justamente a equipe gaúcha que o Tricolor enfrenta nesta quarta-feira, às 21h30, no Morumbi. A Globo transmite ao vivo para SP, RS, SC, PR, MG (regiões de Uberlândia, Uberaba e Ituiutaba), GO, TO, MS, MT, BA, SE, AL, PE, CE, MA e PA. O Premiere exibe para todo o Brasil. O ge acompanha em tempo real com vídeos exclusivos de gols e principais lances.

Mas o que explica essa queda repentina da equipe comandada por Fernando Diniz? As respostas não são tão simples. O time deixou de ter o melhor ataque do campeonato, e a defesa, antes menos vazada, agora é apenas a terceira no quesito.

Em entrevista coletiva no último domingo, depois do empate por 1 a 1 com o Athletico, o técnico Fernando Diniz opinou que a equipe está evoluindo e pediu que se faça uma análise mais fria do que vem acontecendo com o São Paulo.

– Não é terra arrasada, a gente avalia resultado, não avalia jogo. O jogo do Fluminense, que foi no ano passado, ganhamos, mas não jogamos bem. Contra o Sport, ganhamos só de 1 a 0, mas fizemos um bom jogo. Contra o Vasco, no momento de euforia, jogamos mal. Temos que analisar cada jogo – disse o treinador.

PVC

“Por que o São Paulo caiu? Onde está o problema? É claro que passa pela ausência do Luciano e também é evidente que não dá para resumir à ausência do Luciano. Ainda que você pense que sem o Luciano o São Paulo tem 47% de aproveitamento, e com ele, 68%, não dá para resumir a um jogador. Acho que passa por isso, mas não pode ser só. Passa pela queda de rendimento do Daniel Alves, que voltou a ter um momento ruim.

Claro que o São Paulo passou a ser um time mais observado pelos adversários, todo mundo sabe como o São Paulo joga. Isso faz também diferença. E marca o passe dos zagueiros.

Dos últimos sete gols sofridos pelo São Paulo, quatro foram em saída de jogo. No último, o erro já foi depois do meio-campo, mas com passe na saída, no início, na construção da jogada. E o Athletico usou a velocidade para contragolpear a partir disso. Como se desfaz esse momento ruim? Com ideia. Mas não dá para dizer que o Diniz não está tentando. Contra o Athletico, o Daniel Alves foi segundo atacante, ele não jogou no meio-campo. Não foi o São Paulo da obviedade, da repetição. E, mesmo assim, o time perdeu um pouco da confiança.

Um avião não cai por uma única razão, um líder não perde seis pontos dos sete que tinha de vantagem só por um motivo. Mas o Diniz precisa encontrar as razões e as soluções até o jogo com o Inter.”

Alexandre Lozetti

“O elenco nunca foi, em quantidade, grande coisa. Um time titular muito bom, que jogava bem, duas ou três peças no banco que mantinham o nível. A ausência do Luciano é claro que pesa, ele é o artilheiro e compreende muito bem esse método Diniz.

E também a equipe passa a ser mais analisada pelos adversários quando se consolida em primeiro lugar. Mas a grande decepção é que, apesar de tudo isso, tem se mostrado um time muito fraco mentalmente. Sem brilho, sem personalidade, sem coragem, sem reação. Grandes virtudes dessa equipe para atingir a liderança e praticar um futebol que agradava quase todo mundo.

Só a ausência do Luciano fez isso? Se sim, então o São Paulo não estava preparado para ser campeão como se imaginava. Os garotos caíram demais de rendimento, o Daniel Alves, que tem uma leitura privilegiada do jogo, entendendo mal o momento, tentando com passe mágico e imaginário, porque nunca tem alguém onde ele imagina que tem.

Teve a mudança de gestão, que entulhou um monte de conselheiros novos no comando do futebol, o que é muito ruim. Mas o Internacional, que é o grande rival, mudou presidente, diretor, técnico e o atual técnico está de aviso prévio, então não dá para usar nem de desculpa para essa queda do São Paulo, que ainda é reversível, mas não sei se será por muito tempo.”

Casagrande, no Globo Esporte

“Há três jogos, o São Paulo tinha sete pontos de diferença. Perdeu para o Bragantino, para o Santos, empatou este jogo. Mas antes disso, foi eliminado pelo Grêmio, que, na minha opinião, teve uma pressão, uma decepção, uma frustração muito forte. Na sequência, perdeu para o Bragantino e teve aquela briga do Diniz (com Tchê Tchê), que também teve uma influência no relacionamento. O São Paulo está jogando muito mal, não é só resultado. O primeiro tempo do São Paulo foi muito mau, o jogo estava chato, mas o São Paulo estava jogando muito mal. Quarta-feira o São Paulo precisa ganhar o jogo, o Inter está colado.

Palmeiras transforma maior rival em presa fácil

Se a ótima atuação no empate amargo diante do Grêmio, na sexta-feira passada, não tinha sido suficiente para algum torcedor voltar a acreditar no futebol do Palmeiras, a goleada por 4 a 0 sobre o Corinthians desfez de vez as dúvidas criadas pelo River Plate na dramática semifinal da Libertadores.

Menos de 72 horas depois de ter desperdiçado muitos gols e deixado dois pontos escaparem, a equipe dirigida por Abel Ferreira voltou ao Allianz Parque para fazer outro jogo intenso na segunda-feira à noite. Desta vez, dominando o rival – o seu maior rival – durante praticamente os 90 minutos.

Apesar de finalista da Libertadores e da Copa do Brasil, o treinador português insistiu em não abrir mão do Campeonato Brasileiro e escalou o que tinha de melhor à disposição. Só que de um jeito diferente. De mais um (!) jeito diferente, provando repertório dentro do seu pouco tempo de trabalho no futebol brasileiro.

Não por acaso, uma das peças que o ajudou a mexer na estrutura foi o coringa de seleção brasileira Gabriel Menino. O veterano de 20 anos, que já jogou em quase todas as posições e exerceu as mais diversas funções, desta vez começou o jogo um pouco mais avançado, aberto pelo lado direito, mas não exatamente como um ponta. Chegava à linha de fundo ao mesmo tempo em que cuidava de fechar o meio e ajudar Mayke na marcação.

Mas a principal novidade na formação de Abel Ferreira foi a utilização de Willian e Luiz Adriano como titulares. Juntos, eles deixaram tonta a defesa corintiana. Sozinhos, cada um a seu modo, desequilibraram.

Willian fez um partidaço com a bola no pé, provavelmente para firmar de vez seu retorno entre os titulares. Luiz Adriano fez um partidaço com e sem a bola, participando direta ou indiretamente dos quatro gols.

Luiz Adriano leva a marcação e abre espaço para Raphael Veiga dentro da área — Foto: Reprodução/Premiere

Luiz Adriano leva a marcação e abre espaço para Raphael Veiga dentro da área — Foto: Reprodução/Premiere

Além dos dois que ele próprio marcou, o centroavante esteve envolvido nos dois gols de Raphael Veiga: puxou a marcação para deixar o meia livre no primeiro e brigou pela bola que sobrou limpa para a finalização do segundo.

Tirando o pé

Com 20 minutos do segundo tempo, estava definida a goleada histórica, um 4 a 0 que o Palmeiras não impunha ao Corinthians desde 2004. A partir dali, conforme relato do repórter Felipe Diniz, que trabalhava na transmissão do Premiere, os membros da comissão técnica davam comandos diferentes à beira do campo:

O chefe dela, Abel Ferreira, aparentemente estava ao lado daqueles que queriam simplesmente esperar o apito final e terminar com os 53% de posse de bola.

O português tratou de fazer as cinco alterações e descansar jogadores mais exaustos e menos substituíveis nos desafios pela frente, como o lateral-esquerdo uruguaio Matías Viña, que teve um gol corretamente anulado antes de sair. Qualquer tempo ganho a essa altura é bem-vindo.

Jogadores do Palmeiras comemoram enquanto Cássio lamenta ao fundo — Foto: Marcos Ribolli

Jogadores do Palmeiras comemoram enquanto Cássio lamenta ao fundo — Foto: Marcos Ribolli

O Palmeiras já tem mais um duelo importante na quinta-feira, frente ao Flamengo, em Brasília. Até a final da Libertadores (em 30 de janeiro, contra o Santos, no Maracanã), ainda enfrentará Ceará e Vasco pelo Brasileirão.

Por Tossiro Neto — São Paulo

Análise: Rogério Ceni faz ajuste, Flamengo volta a vencer, mas desempenho ainda precisa evoluir

Após três jogos sem vencer, o Flamengo voltou a triunfar no Campeonato Brasileiro e se recuperou na briga pelo título. Um pequeno ajuste feito por Rogério Ceni surtiu efeito e ajudou no resultado, mas o placar por 3 a 0 pode indicar erroneamente uma facilidade maior do que realmente foi o jogo. O time ainda pode mostrar mais com as peças que tem à disposição.

A principal mudança para o jogo foi uma leve alteração na formação. Em vez do 4-4-2 tradicional dos tempos de Jorge Jesus, Rogério Ceni escalou o Flamengo num 4-2-3-1 – esquema já utilizado eventualmente pelo treinador, mas raramente desde o início.

Com a reorganização das peças, Arrascaeta passou a jogar centralizado, onde teve suas melhores atuações neste Brasileirão. Foi assim que o uruguaio rendeu melhor sob o comando de Domènec Torrent, e a sacada de Rogério Ceni merece elogios por potencializar um dos jogadores de maior capacidade técnica do elenco rubro-negro.

Arrascaeta comemora gol pelo Flamengo — Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

Arrascaeta comemora gol pelo Flamengo — Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

Com Arrascaeta pelo centro e um Diego bastante participativo atuando mais recuado, o Flamengo conseguiu ter mais controle no meio-campo.

A posse de bola foi rubro-negra desde o início, embora o time continue com dificuldade para criar muitas oportunidades de gol. Foi numa rara jogada acelerada, com Diego servindo Arrascaeta, que a equipe abriu o placar..

Formação do Flamengo contra o Goiás: centralizado, Arrascaeta cresceu de produção — Foto: ge

Formação do Flamengo contra o Goiás: centralizado, Arrascaeta cresceu de produção — Foto: ge

A vantagem deu, principalmente, tranquilidade para o Flamengo. O time sofreu nas bolas aéreas no primeiro tempo, quando Rafael Moura teve duas boas chances de cabeça. Depois do gol de Arrascaeta, porém, a equipe ficou mais confortável em campo e correu menos riscos.

O Goiás se lançou em busca do empate no segundo tempo e passou a dar muito campo para o contra-ataque do Flamengo.

Gabigol e Bruno Henrique tiveram boas ocasiões de forma isolada, sem sucesso. Num raro momento em que se combinaram, saiu o gol: arrancada em velocidade de BH e passe para Gabigol ampliar. Eficiência demonstrada também na finalização de Pedro, no fim do jogo, que definiu o placar.

Vitória estabiliza time em momento decisivo

Não foi uma atuação exuberante do Flamengo, mas a vitória ajuda a estabilizar o time num momento decisivo do Brasileiro. A equipe recupera confiança – a zaga conseguiu terminar um jogo sem ser vazada, o que é sempre um alento -, volta a se aproximar do líder São Paulo e pode se preparar para uma sequência difícil de jogos fora de casa.

A principal lição que Rogério Ceni pode levar deste jogo é a nova formação tática. No 4-2-3-1, Arrascaeta voltou a ser decisivo e participou mais da partida. Por outro lado, os pontas – Bruno Henrique e Everton Ribeiro – ainda estiveram aquém do que podem mostrar, o que dá margem de evolução para o time.

A boa atuação de Diego, novamente atuando mais recuado, rendeu elogios de Ceni e dá mais uma opção para o treinador montar seu meio-campo. Contra o Palmeiras, na quinta-feira, ele terá novamente Gerson à disposição.

O Flamengo ainda precisa melhorar seu desempenho para voltar de vez à briga pelo título – e o duelo com o Palmeiras será um teste importante. Mas a vitória sobre o Goiás e o ajuste feito por Rogério Ceni dão uma base sobre a qual trabalhar nesta reta final de Campeonato Brasileiro.

Por Felipe Schmidt — Rio de Janeiro

Governador de MS oferece 10 leitos de UTI à pacientes com Covid-19 de Manaus

Governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) ofereceu ao estado do Amazonas 10 leitos de tratamento intensivo para receber pacientes graves com Covid-19 de Manaus. O pronunciamento foi feito após a chegada das 158 mil doses de CoronaVac ao solo sul-mato-grossense.

“Ligando para o governador do Amazonas, – Wilson Lima (PSC) – nós estamos disponibilizando 10 leitos de UTI para pacientes do estado que estão passando por uma situação difícil. Vamos ver para fazer a transferência e nós vamos cuidar, como viemos cuidando muito bem”, destaca o governador.

Na análise de Azambuja, o estado e o país estão passando por um momento histórico. “É uma alegria enorme para toda a equipe de saúde. Nesse momento delicado e ter a vacina, isso gera uma esperança para o nosso povo”.

Além da novidade, o governador destacou a felicidade por receber as vacinas contra a Covid-19. “Nós vamos seguir todos os protocolos do plano de vacinação propostos pelo ministério da Saúde”.

Por José Câmara e Cláudia Gaigher, G1 MS e TV Morena

Indígena de 91 anos é a primeira a receber vacina contra Covid-19 em MS

Uma indígena de 91 anos foi a primeira pessoa a receber a primeira dose da vacina contra a Covid-19 em Mato Grosso do Sul, no início da noite desta segunda-feira (18), no Hospital Regional de Campo Grande. A imunização foi realizada em evento que marca, simbolicamente, o início da vacinação no estado e ainda aplicou vacinas em mais três pessoas de grupos prioritários: um médico da linha de frente, uma idosa moradora de asilo e uma enfermeira.

Domingas da Silva é da etnia Terena e reside na aldeia Tereré, em Sidrolândia. Ela disse que, como indígena, ficou muito feliz em receber a primeira dose.

Domingas da Silva, indígena da etnia Terena de 91 anos, foi uma das três primeiras pessoas a receber vacina contra Covid-19 em MS — Foto: TV Morena/Reprodução

Domingas da Silva, indígena da etnia Terena de 91 anos, foi uma das três primeiras pessoas a receber vacina contra Covid-19 em MS — Foto: TV Morena/Reprodução

No evento, o primeiro profissional de saúde também foi vacinado. Foi o médico nefrologista Márcio Estevão Midom, de 43 anos, que atua na linha de frente contra a Covid-19 no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS) em Campo Grande. O médico já atendeu mais 100 pacientes que necessitaram de ventilação mecânica por conta da Covid-19.

“Sinto-me honrado em receber a primeira dose dessa vacina, resultado de um trabalho árduo dos cientistas em prol da humanidade. A vacina é a grande esperança”, disse o nefrologista.

A auxiliar de enfermagem Sandra Maria de Lima, de 50 anos, também foi vacinada. O evento marcou a vacinação da primeira idosa em asilo do estado. Maria Bezerra de Carvalho, de 82 anos, que é hipertensa, mora em um asilo de Campo Grande.

A imunização desta segunda marca, simbolicamente, o início da vacinação no estado, já que efetivamente a aplicação deve iniciar oficialmente quando todas as cidades possuírem as doses. A distribuição de 158 mil doses para os 79 municípios deve ser iniciada ainda na noite desta segunda, em ação conjunta entre a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

De acordo com a SES, cerca de 79 mil pessoas devem ser imunizadas neste primeiro momento, com metade das doses que chegaram via Ministério da Saúde. A outra metade será guardada e voltará a ser aplicada em duas semanas, nas mesmas pessoas que receberam a primeira dose, finalizando a imunização.

A previsão é que a aplicação das vacinas comece na manhã de quarta, simultaneamente em todas as cidades. Conforme o Plano Estadual de Vacinação, a primeira fase da imunização vai englobar trabalhadores em saúde; idosos com mais de 75 anos; aqueles com mais de 60 que estejam em asilos; índios aldeados e pessoas com comorbidades.

Idosa, de 82 anos é a segunda a ser vacinada em MS — Foto: David Melo/ TV Morena

Idosa, de 82 anos é a segunda a ser vacinada em MS — Foto: David Melo/ TV Morena

Médico que cuidou de mais de 100 pacientes com Covid-19 se vacina contra o vírus em MS — Foto: David Melo/ TV Morena

Médico que cuidou de mais de 100 pacientes com Covid-19 se vacina contra o vírus em MS — Foto: David Melo/ TV Morena

Enfermeira de hospital referência contra a Covid-19 se vacina nesta segunda-feira (18) — Foto: David Melo/TV Morena

Enfermeira de hospital referência contra a Covid-19 se vacina nesta segunda-feira (18) — Foto: David Melo/TV Morena

Vacinação contra Covid-19 deve iniciar nesta terça em todo MS, aponta secretaria de saúde

A Secretaria de estado de Saúde (SES) disse que a vacinação contra Covid-19 deve começar em todo território de Mato Grosso do Sul ainda nesta terça-feira (19). A secretaria não soube informar o horário que as imunizações vão começar. As mais de 158 mil doses de CoronaVac destinadas ao estado vão ser distribuídas ao longo da noite desta segunda-feira (18) aos 79 municípios de Mato Grosso do Sul.

No início da noite desta segunda-feira (18), em vacinação simbólica, foram vacinadas quatro pessoas. A primeira sul-mato-grossense a ser vacinada foi uma indígena, de 91 anos.

A imunização desta segunda marca, simbolicamente, o início da vacinação no estado, já que efetivamente a aplicação deve iniciar oficialmente quando todas as cidades possuírem as doses. A distribuição de 158 mil doses para os 79 municípios deve ser iniciada ainda na noite desta segunda, em ação conjunta entre a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

De acordo com a SES, cerca de 79 mil pessoas devem ser imunizadas neste primeiro momento, com metade das doses que chegaram via Ministério da Saúde. A outra metade será guardada e voltará a ser aplicada em duas semanas, nas mesmas pessoas que receberam a primeira dose, finalizando a imunização.