Com máscaras e distanciamento entre cadeiras, instituições privadas retomam aulas presenciais no Maranhão

Instituições de ensino na rede privada iniciaram nesta segunda-feira (3) a volta às aulas presenciais no Maranhão. Em São Luís, com poucas exceções, a maioria das escolas optou por começar a volta pelos alunos do terceiro ano do ensino médio. Nos outros níveis de ensino, a volta deve ser na próxima semana.

Em uma escola que abriu nesta segunda, os alunos precisaram se manter em cima de marcações no chão para garantir o distanciamento durante a entrada. Na portaria, funcionários faziam a medição de temperatura e usavam máscara facial.

Escola fez marcações no chão para garantir o distanciamento durante a entrada — Foto: Divulgação

Escola fez marcações no chão para garantir o distanciamento durante a entrada — Foto: Divulgação

Já dentro da sala de aula, as turmas foram divididas em dois grupos, que devem se alternar entre aulas presenciais e online. Presencialmente, todos precisaram respeitar o distanciamento ao sentar em cadeiras longe uma das outras.

Braga Netto está com Covid-19, diz Casa Civil

O ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto, está com Covid-19, informou a assessoria da pasta nesta segunda-feira (3). Ainda de acordo com a equipe da Casa Civil, ele ficará em isolamento nos próximos dias.

Braga Netto tem 63 anos de idade, faixa etária que o coloco no grupo de risco para Covid-19. Em uma nota, a assessoria informou que ele está assintomático e passa bem.

O titular da Casa Civil é o sétimo ministro que se infectou com o novo coronavírus. O governo tem 23 pastas. Veja os ministros que já tiveram a doença:

  • Augusto Heleno, Gabinete de Segurança Institucional;
  • Bento Albuquerque, Minas e Energia;
  • Milton Ribeiro, Educação;
  • Onyx Lorenzoni, Cidadania;
  • Marcos Pontes, Ciência, Tecnologia e Inovações;
  • Wagner Rosário, Controladoria-Geral da União;
  • Braga Netto, Casa Civil

O presidente Jair Bolsonaro também já teve Covid-19. Ele anunciou no dia 7 de julho que estava com o vírus. No dia 25 de julho, disse que tinha se curado curado.

Na semana passada, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, afirmou que contraiu a doença. Ela está em tratamento, na residência oficial do Palácio da Alvorada.

Na quinta-feira (30), Braga Netto participou da entrega de uma medalha realizada no Minstério da Defesa, ao lado de outros ministros, entre os quais, Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Fernando Azevedo (Defesa) e José Levi (AGU).

Nota da Casa Civil

Leia a nota divulgada pela Casa Civil:

O ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Braga Netto, recebeu nesta segunda-feira (3/8) a confirmação de que testou positivo para a COVID-19. O ministro passa bem e está assintomático. Ele ficará em isolamento até novo teste e avaliação médica. Até lá, continuará cumprindo a sua agenda de forma remota.

Com fim do recesso, PGR pede ao STJ para restabelecer prisão de Queiroz e da mulher

BRASÍLIA — A Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou um pedido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para reverter prisão domiciliar do ex-assessor Fabrício Queiroz e de sua mulher Márcia Oliveira de Aguiar, concedida liminarmente pelo presidente do STJ João Otávio Noronha em regime de plantão. Com o fim do plantão do Judiciário, o pedido da PGR foi destinado ao relator do habeas corpus, o ministro Félix Fischer, e à Quinta Turma do STJ.

Fischer, entretanto, ainda continua afastado por questões de saúde. Por isso, por enquanto o assunto deve ficar sob a relatoria temporária do ministro Jorge Mussi, como mostrou a colunista Bela Megale.

A manifestação é assinada pelo subprocurador-geral da República Roberto Luís Oppermann Thomé. Ele aponta a “inexistência de ilegalidade” na prisão preventiva de Queiroz, cita que a jurisprudência impede a concessão de benefícios para alvos foragidos, como era o caso de Márcia Aguiar, e solicita que seja restabelecida a prisão deles.

“Conquanto cediços cultura jurídica e espírito público do ínclito Ministro Presidente, sua v. decisão monocrática, ora agravada, merece integral reforma para que se respeite até mesmo a percuciente, abalizada e escorreita fundamentação lavrada em oito de dez laudas pela inexistência de ilegalidade alguma na necessária constrição judicial cautelar, e mesmo se resgate o respeito à iterativa jurisprudência pátria que rechaça concessão de benesses a pessoas que se encontrem foragidas da Justiça”, escreveu o subprocurador.

Leia:Presidente do STJ defende decisão em que soltou Queiroz e critica imprensa e ‘lava-jatismo’

Ao final da manifestação, ele solicita que o relator conceda monocraticamente a reforma da decisão ou leve o assunto para a Quinta Turma do STJ.

“Ante o exposto, o Ministério Público Federal respeitosamente espera que seja por Vossa(s) Excelência(s), de modo monocrático pelo ínclito Ministro relator ou colegiado por esta colenda Turma, provido este agravo regimental/interno/pedido de reconsideração para resgatar a dignidade da função jurisdicional e o respeito devido às decisões prolatadas por juízos competentes e o bom nome e conceito da Justiça”, escreveu.

Confira:Com fim do recesso no Judiciário, STF e STJ podem mudar decisões que afetam caso Queiroz e Lava-Jato

Em 9 de julho, durante o plantão, o presidente do STJ João Otávio Noronha concedeu prisão domiciliar para Queiroz e sua mulher, alegando questões de saúde do ex-assessor e que a prisão preventiva foi proferida por juiz sem atribuição para o caso, já que o Tribunal de Justiça do Rio decidiu enviar a  investigação para o órgão especial do TJ.

Acidente deixa 5 mortos em rodovia de SP e motorista é preso por suspeita de embriaguez

Cinco pessoas morreram em um grave acidente entre dois carros, na manhã deste sábado (1), na rodovia Padre Manoel da Nóbrega, em Peruíbe, no litoral São Paulo. O motorista que provocou a colisão foi preso em flagrante. Ele admitiu que tinha ingerido bebida alcoólica antes de dirigir e, segundo a Polícia Rodoviária, se negou a fazer o teste do bafômetro.

De acordo com informações obtidas pelo G1, o acidente ocorreu por volta das 4h, no km 347 da rodovia, na altura do bairro Caraguava. Um motorista que dirigia um carro esportivo perdeu o controle do veículo e invadiu a pista contrária. Ele bateu de frente com um carro onde estavam cinco pessoas. O veículo ficou completamente destruído.

Três homens, uma mulher e uma criança de 2 anos, que estavam no carro atingido, morreram no local. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Praia Grande para serem identificados.

Cinco pessoas que estavam no carro morreram após acidente na rodovia Padre Manoel da Nóbrega, SP — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária

Cinco pessoas que estavam no carro morreram após acidente na rodovia Padre Manoel da Nóbrega, SP — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária

“O motorista falou que saiu de um bairro próximo. Ele falou que ingeriu bebida alcóolica, se recusou a fazer o teste do etilômetro, foi preso e levado para o DP”, afirmou Moacir Mathias do Nascimento, comandante da Polícia Rodoviária Litoral Centro-Sul e Vale do Ribeira.

Condutor do carro esportivo não quis fazer o teste do bafômetro após acidente na rodovia Padre Manoel da Nóbrega, SP — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária

Condutor do carro esportivo não quis fazer o teste do bafômetro após acidente na rodovia Padre Manoel da Nóbrega, SP — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária

O motorista foi levado a Deleagacia Sede de Peruíbe. “O condutor será indiciado por homicídio, previsto no artigo 121 do Código Penal, além de embriaguez ao volante, previsto no artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro. Não será arbitrado fiança”, disse o delegado Arilson Veras Brandão.

De acordo com o DER, por conta do acidente, a rodovia Padre Manoel da Nóbrega ficou interditada por duas horas, das 4h às 6h, para a remoção dos veículos e das vítimas. Por volta das 9h, apenas o acostamento permanecia bloqueado para os trabalhos da Perícia Científica e, assim que forem concluídos, o trecho também deve ser liberado.

Lei Seca

Os condutores autuados por embriaguez ao volante ou recusa ao teste do etilômetro, também conhecido por bafômetro, terão de pagar multa no valor de R$ 2.934,70, além de responderem a processo administrativo no Detran.SP para a suspensão do direito de dirigir por 12 meses.

Quem apresentar índice a partir de 0,34 miligramas de álcool por litro de ar expelido no teste do etilômetro, além das penalidades, também responderá na Justiça por crime de trânsito. Se condenado, poderá cumprir de seis meses a três anos de prisão, conforme prevê a Lei Seca (lei nº 12.760/2012), também conhecida como “tolerância zero”.

Acidente ocorreu por volta das 4h na rodovia Padre Manoel da Nóbrega e matou cinco pessoas — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária

Acidente ocorreu por volta das 4h na rodovia Padre Manoel da Nóbrega e matou cinco pessoas — Foto: Divulgação/Polícia Rodoviária

Seminarista de 20 anos morre com Covid-19 em Natal

Um seminarista de 20 anos de idade morreu nesta sexta-feira (31), em Natal, em decorrência da Covid-19. Nicolas Matheus estava internado em estado grave desde 12 de julho, mas não resistiu. De acordo com a Arquidiocese de Natal, a família de Nicolas informou que ele não tinha comorbidades

O jovem era natural de São Paulo do Potengi, onde viveu, até ingressar no Seminário de São Pedro, em Natal, em 2019. Atualmente, cursava o 2º ano do curso propedêutico. De acordo com a Arquidiocese de Natal, os seminaristas estão todos em casa por causa da pandemia do coronavírus e as aulas estão ocorrendo online.

No dia 2 de julho Nicolas Matheus começou a sentir alguns sintomas da Covid-19, como febre e dores no corpo. Ele foi a uma unidade de saúde em São Paulo do Potengi, fez o teste de coronavírus e deu negativo.

No dia 9 ele passou mal e foi internado em São Paulo do Potengi. Um novo teste deu positivo. Três dias depois, em 12 de julho, Nicolas Matheus teve uma piora e foi transferido para o Hospital Dr. Luiz Antônio (Liga), em Natal. Ele ficou entubado até esta sexta (31), mas não resistiu.

De acordo com a Arquidiocese de Natal, o corpo foi levado para São Paulo do Potengi neste sábado (1º), onde seria sepultado.

Prefeitura de SP desativa maior parte de leitos do Hospital de Campanha do Anhembi neste sábado

A Prefeitura de São Paulo vai desativar neste sábado (1°) a maior parte do hospital de campanha do Anhembi, na Zona Norte da cidade. A medida havia sido anunciada pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) no dia 16 de julho.

O hospital foi criado temporariamente para atender pacientes com Covid-19. A área que será desativada tem, ao todo, 871 leitos. Desses, apenas 310 vão permanecer operando.

Segundo a prefeitura, a decisão foi tomada devido a estabilização da doença na cidade e a economia será de R$ 19 milhões mensais.

Serão mantidos 294 leitos de enfermaria e 16 de estabilização. Ainda conforme a gestão municipal, o hospital da Brasilândia vai receber parte dos equipamentos do Hospital de Campanha do Anhembi.

O Hospital de Campanha do Anhembi começou a funcionar no dia 11 de abril. Tinha capacidade para até 1.800 leitos, mas não chegou nem na metade desse valor. O pico de ocupações foi no dia 15 de maio, quando teve 601 pacientes.

Nesta sexta-feira (31), segundo a gestão municipal, 127 pessoas estavam internadas no local.

A ala que será encerrada é a maior do hospital provisório. Ela foi montada e está sob administração do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas). O contrato encerra nesta sexta-feira (31) julho e não foi renovado.

‘Fase 5’: Rio libera banho de mar e ambulantes na praia; horário de bares é ampliado a partir deste sábado

Fase 5 de flexibilização de atividades econômicas no Rio começa neste sábado (1º) com a liberação de banho de mar, com trabalho restrito de ambulantes, mas ainda com a permanência de banhistas na areia proibida. O horário de bares também será ampliado.

Os anúncios foram feitos nesta sexta-feira (31) por representantes da prefeitura do Rio. Também foi confirmada a liberação para escolas particulares reabrirem, de forma “voluntária”. Nos colégios públicos, ainda não há definição de data do retorno.

20 de junho - Movimentação nas praias do Rio de Janeiro — Foto: Gilvan De Souza/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

20 de junho – Movimentação nas praias do Rio de Janeiro — Foto: Gilvan De Souza/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

Veja as principais regras:

  • ambulantes podem operar das 7h às 18h nas praias e logradouros, sem aluguel de cadeiras e barracas e sem bebida alcoólica;
  • banho de mar liberado, mas permanência na areia e uso de caixas térmicas proibidos;
  • prática da altinha continua proibida;
  • horário de bares, restaurantes e lanchonetes ampliado das 23h para 1h;
  • Escolas privadas podem reabrir, de forma “voluntária”;
  • escolas municipais ainda em “avaliação”, mas liberado o retorno dos refeitórios
  • shoppings retornam ao funcionamento no horário normal: das 10h às 22h;
  • lojas de rua podem abrir às 9h aos sábados e domingos, com horário de fechamento liberado. De segunda a sexta, mantida a abertura às 11h, com fechamento livre;
  • feiras de artes e de artesanato reabertas;
  • piscinas de condomínios liberadas, mas não pra hidroginástica (devido à participação de grávidas e idosos, explica a prefeitura);
  • permitido o retorno das atividades de massagem, maquiagem e sauna.

Praias

No início de julho, o prefeito Marcelo Crivella disse que a permanência de banhistas nas areias da praia só deveria ser permitida após a vacina contra a Covid-19. Nesta sexta, a subsecretária de Vigilância Sanitária, Márcia Rolim, disse que é possível autorizar a permanência antes de uma vacina.

Até esta sexta-feira, estava permitida a prática de esportes individuais (coletivos liberados somente em dias de semana), tanto na areia como no mar, mas ambulantes e o banho de mar estavam proibidos. Mesmo com as restrições, no entanto, as praias têm ficado cheias de gente nas areias em dias de sol.

Questionada se a liberação dos ambulantes não incentivaria a permanência na areia, a prefeitura disse que a proibição da venda de bebidas alcoólicas, do uso de guarda-sol, de cadeiras e de caixas térmicas inibe a aglomeração.

André Brandão aceita convite do governo para ser o novo presidente do Banco do Brasil

André Brandão, atual presidente do banco HSBC no país, aceitou convite do governo para presidir o Banco do Brasil. Ele vai substituir Rubem Novaes, que deixou o cargo na semana passada.

De acordo com uma fonte da equipe econômica, ainda faltam alguns detalhes burocráticos para o anúncio oficial de Brandão. Um dos pontos que pesaram a favor da escolha do executivo é o fato de ele ter um perfil considerado como semelhante ao do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

“Um banqueiro jovem, mas bastante experiente , técnico, discreto e apolítico”, explicou o integrante da equipe econômica do governo.

A informação de que o governo estava prestes a fechar com Brandão foi divulgada em primeira mão na sexta-feira (31), pela comentarista Cristiana Lôbo, na GloboNews, e no blog dela, no G1.

Perfil

Brandão ingressou no Grupo HSBC no final de 1999, na área de renda fixa, vendas e câmbio. Em 2001, assumiu o cargo de diretor de tesouraria, e posteriormente, foi promovido a diretor-executivo de tesouraria.

Ele também atuou como diretor da área de mercado do banco para toda a América Latina, antes de chegar à presidência, em 2012.

Brandão tem mais de 20 anos de atuação no mercado financeiro. Além do HSBC, já trabalhou também no Citibank, entre São Paulo e Nova York.

Veja trechos do depoimento de Flavio Bolsonaro em inquérito sobre suposto vazamento de operação da PF

O Jornal Nacional teve acesso ao vídeo do depoimento do senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no inquérito que investiga o suposto vazamento da operação da Polícia Federal que atingiu Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador.

Flavio Bolsonaro prestou depoimento ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro no dia 20 de julho. O procurador Eduardo Benonesal, do Rio, ouviu Flavio na investigação sobre o suposto vazamento da Operação Furna da Onça, da Polícia Federal.

A operação revelou movimentações financeiras suspeitas em gabinetes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, inclusive de Fabrício Queiroz. Flavio Bolsonaro não era investigado.

O procurador mostrou a Flavio trechos de depoimentos já prestados anteriormente. O primeiro foi o de Paulo Marinho, revelado pelo Jornal Nacional na semana passada. Marinho explicou que em um encontro na casa dele, o advogado Victor Granado, amigo de infância de Flavio Bolsonaro, contou como tudo teria acontecido.

Ele disse que o vazamento partiu de um delegado da PF, que teria adiantado que a operação atingiria pessoas ligadas a Flavio. O senador se irritou ao ver o vídeo.

“Vou ter que ficar ouvindo isso aqui cinco horas? Não vou aguentar, com todo o respeito, doutor”, afirmou.

Em seguida, Flavio Bolsonaro confirmou que pediu uma reunião com Paulo Marinho no dia 13 de dezembro de 2018 na casa do empresário, no Rio. E que foi aconselhado a fazer isso pelo pai, o então presidente eleito Jair Bolsonaro.

Procurador: “Eu quero saber o seguinte: a motivação que o senhor teve para fazer esse movimento de conversar com o senhor Paulo Marinho, de ter ido a essa reunião, teria sido a preocupação com essa notícia?”.

Flávio Bolsonaro: “Para mim, não é nada (inaudível) com o Queiroz. Todo mundo, a imprensa atirando pedra em mim, eu tinha que me defender, eu tinha que buscar (inaudível). Foi essa intenção, porque o Paulo Marinho, eu tinha a percepção que ele era uma pessoa bem relacionada no mundo jurídico, então, fui consultá-lo, se ele tinha uma pessoa para me indicar, foi isso.”

Flavio negou a suspeita de que recebeu informações vazadas da PF. O procurador lembrou que Paulo Marinho disse que soube do vazamento pelo amigo de Flavio, Victor Granado.

“Ele, certamente, ouviu uma coisa e entendeu errado”, declarou Flávio.

Procurador: “A minha pergunta é se o senhor falou.”

Flávio: “Não ouvi.”

Procurador: “Nunca ouviu de reunião?”

Flávio: “Nunca ouvi de reunião que aconteceu na porta da Polícia Federal para isso.”

O procurador perguntou se Flavio esteve na sede da PF no Rio no período em que Paulo Marinho alega ter havido vazamento. Flavio disse que costumava ir à Polícia Federal frequentemente em reuniões de associações que representam policiais e que não sabe precisar datas.

O procurador, então, mostrou um trecho do depoimento de Victor Granado. Nesse trecho, Victor invocou o dever de sigilo não revelar o que foi tratado na reunião na casa de Paulo Marinho.

As principais testemunhas já foram ouvidas nessa investigação do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro. Agora, o MP quer analisar as imagens do circuito interno da casa de Paulo Marinho.

Versões

A defesa de Flávio Bolsonaro afirmou que as declarações de Marinho têm objetivo de manipular a Justiça

Paulo Marinho disse que entendeu perfeitamente o que viu.

Victor Granado não se manifestou.

O JN não conseguiu contato com a defesa de Fabrício Queiroz.

Moraes amplia multa e intima presidente do Facebook no Brasil por não cumprir bloqueio de contas bolsonaristas

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes decidiu aumentar nesta sexta-feira (31), de R$ 20 mil para R$ 100 mil ao dia, a multa aplicada ao Facebook pelo descumprimento da decisão de bloquear, em todo o mundo, contas mantidas por perfis bolsonaristas na rede social.

No despacho obtido pela TV Globo, Moraes afirma que a ordem de impedir acesso às contas vem sendo descumprida há oito dias e que, por isso, há uma multa acumulada de R$ 1,92 milhão. A partir desta sexta, a multa será de R$ 1,2 milhão ao dia – R$ 100 mil para cada uma das 12 contas a serem barradas.

Moraes, relator no STF de um inquérito sobre disseminação de fake news e ofensas a autoridades, também determinou a intimação pessoal do presidente do Facebook no Brasil – identificado no documento como Conrado Leister.

No início da tarde, o Facebook já havia afirmado em nota que recorreria da decisão de Moraes sobre o bloqueio internacional das contas. No comunicado, a rede social não informou se, enquanto isso, cumpriria a determinação. O G1 fez novo contato com a empresa e aguarda posicionamento.

>> Confira abaixo a linha do tempo do caso

“Respeitamos as leis dos países em que atuamos. Estamos recorrendo ao STF contra a decisão de bloqueio global de contas, considerando que a lei brasileira reconhece limites à sua jurisdição e a legitimidade de outras jurisdições”, disse o Facebook antes da nova decisão de Moraes.