Polícia prende 9 suspeitos de participação no roubo a banco em Criciúma

A Polícia Civil prendeu 9 suspeitos de participar do roubo a uma agência do Banco do Brasil em Criciúma, Santa Catarina. Dois deles foram localizados em Gramado, na Serra do Rio Grande do Sul, na manhã desta quinta-feira (3), segundo a Chefe da Polícia Civil, Nadine Anflor. A polícia apura se um dos presos pertence a facção criminosa de SP.

Outros seis foram presos entre a tarde de quarta (2) e a madrugada desta quinta, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF) em cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Os suspeitos são de São Paulo (7) e Minas Gerais (1).

Na tarde de quarta-feira (2), a Polícia Civil de São Paulo prendeu uma mulher na capital paulista.

Na noite de segunda-feira (30), cerca de 30 pessoas encapuzadas causaram terror na cidade ao roubar o cofre de uma agência do Banco do Brasil. Funcionários foram feitos reféns, vias foram bloqueadas e disparos com armas de grosso calibre foram efetuados. A ação criminosa durou até a madrugada de terça-feira (1º).

Prisões já realizadas

  • 2 homens encontrados em Gramado, na Serra do RS, na manhã de quinta (3).
  • 1 homem encontrado em uma casa na cidade de Três Cachoeiras (RS), na madrugada de quinta (3).
  • 2 homens encontrados em um viaduto da BR-116 em São Leopoldo (RS), na tarde de quarta (2).
  • 3 homens encontrados entre a divisa de Torres (RS) e Passo de Torres (SC), na tarde de quarta (2).
  • 1 mulher encontrada em uma casa em São Paulo (SP), na tarde de quarta (2).
Investigações sobre assalto em Criciúma — Foto: Fernanda Garrafiel - Arte G1

Investigações sobre assalto em Criciúma — Foto: Fernanda Garrafiel – Arte G1

Veja mais detalhes das prisões

Na madrugada desta quinta-feira (3), o Batalhão de Operações Especiais (Bope) prendeu um suspeito em uma casa na cidade de Três Cachoeiras (RS), que fica a cerca de 100 km de Criciúma.

No início da tarde desta quarta-feira (2), dois homens foram encontrados em um viaduto da BR-116 em São Leopoldo, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Eles foram levados até o Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil, na capital.

Os outros três suspeitos foram localizados entre a divisa de Torres, no Litoral Norte gaúcho, e Passo de Torres, já em Santa Catarina. Eles foram levados para a delegacia de polícia de Araranguá, localizada a cerca de 35km de Criciúma.

Também na tarde de quarta, uma mulher de 31 anos foi presa em São Paulo suspeita de participação no mega-assalto. Ela foi localizada, após uma denúncia, no Jardim Reimberg, Zona Sul da capital paulista. Com a mulher os policiais encontraram malotes de dinheiro do Banco do Brasil, que serão periciados.

Na terça-feira (1°), um galpão usado pelos criminosos foi encontrado pela Polícia Militar na cidade vizinha de Içara, a cerca de 9 quilômetros de Criciúma.

Resumo do assalto

Lote com 600 litros de insumos para fabricação da vacina CoronaVac chega a São Paulo

Lote com 600 litros de matéria-prima da vacina Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, chegou nesta quinta-feira (3) a São Paulo.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) esteve no Aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, ao lado do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e do secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, para acompanhar a chegada do material.

“Viemos receber aqui mais um lote da vacina CoronaVac, da vacina do Butantan, a vacina que vai salvar a vida de milhões brasileiros. Hoje recebemos insumos para 1 milhão de doses da vacina. Somados aos 20 mil que já recebemos, agora temos 1 milhão e 120 mil doses da vacina”, afirmou Doria.

Ainda segundo o governador, até o início do próximo ano, o governo deve receber as mais de 46 milhões de doses previstas.

“Até o final deste mês de dezembro, estaremos aqui recebendo no Aeroporto de Guarulhos mais seis milhões de doses da vacina, totalizando 7 milhões 120 mil doses da vacina. E no próximo mês de janeiro, até o dia 15 de janeiro, mais 40 milhões de doses da vacina. A vacina do Butantan, a vacina que salva vidas.”

Por G1 SP — São Paulo

Após PIB do 3º trimestre, governo diz que ‘escudo’ contra efeitos da pandemia deve ser ‘desarmado’

A Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia informou nesta quinta-feira (3) que o “escudo de políticas sociais” criado para amenizar os impactos econômicos e sociais da pandemia deve ser “desarmado”.

Segundo a área econômica, o fim de auxílios governamentais abrirá espaço para a agenda de reformas estruturais e medidas de ajuste das contas públicas que, na visão da secretaria, são o “único meio para que a recuperação se mantenha “pujante”.

A avaliação foi divulgada após o anúncio nesta quarta-feira do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, que registrou um crescimento de 7,7% na comparação com os três meses anteriores. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Maguito deixou ‘escorrer algumas lágrimas’ ao ser informado que foi eleito prefeito de Goiânia, diz filho

Filho de Maguito Vilela (MDB), Daniel Vilela contou que o pai deixou “escorrer algumas lágrimas” ao saber que fora eleito prefeito de Goiânia, na noite de domingo (29). Segundo ele, após reduzirem o nível de sedação do político, que está há mais de um mês internado em tratamento contra a Covid-19, o informaram da vitória nas urnas. No entanto, de acordo com Daniel, por causa do tipo de sedativo, o pai já não deve se lembrar de ter recebido a notícia.

“Ontem foi um dia especial não só pela eleição, mas de notícias muito boas sobre a recuperação dele. Foi reduzida bastante a sedação. Ele chegou a ficar bem acordado, à noite foi até comunicado a ele que ele havia ganhado a eleição, e ele acabou [deixando] escorrer algumas lágrimas, chegando a ficar emocionado”, disse.

Maguito segue internado, nesta segunda-feira (30), no Hospital Albert Einsten, em São Paulo (SP). Ele foi hospitalizado em Goiânia há quase 40 dias, após ser diagnosticado com Covid-19. Com a piora no quadro, foi transferido para a capital paulista para continuar o tratamento, onde está desde 27 de outubro.

O pneumologista Marcelo Rabahi, que vem acompanhando o quadro de saúde de Maguito, analisa se o paciente já pode passar por um teste para ver se consegue respirar sem ajuda de aparelhos. Segundo o médico, essa avaliação deve ser feita até terça-feira (1°).

“Os exames de ontem foram muito bons. Estamos decidindo se faremos o teste de 12 horas sem a ECMO [aparelho externo ligado ao corpo que ajuda na respiração] hoje ou amanhã. Há uma semana ele precisa da máquina só para retirada do gás carbônico, ou seja, há dias que ele já consegue inalar o oxigênio sem ajuda”, detalhou.

O médico explicou que a inflamação no pulmão de Maguito é o que o mantém internado. Para o pneumologista, “há indícios de que ele está se recuperando” dessa condição.

Histórico de internação

O político testou positivo para o coronavírus em 20 de outubro. Dois dias depois, foi internado em um hospital de Goiânia.

Em 27 de outubro, ele recebeu diagnóstico de até 75% de inflamação nos pulmões e um alerta para o nível crítico de saturação de oxigênio no sangue. No mesmo dia, foi transferido para São Paulo.

Em 30 de outubro, Maguito foi entubado, pela primeira vez, após piora no quadro respiratório. Em 8 de novembro, ele voltou a respirar sem o equipamento. O político apresentou piora e voltou à ventilação mecânica em 15 de novembro, dia da votação. Dois dias depois, o candidato iniciou o tratamento respiratório com ECMO.

TV do Irã diz que arma usada para matar cientista foi feita em Israel

O canal iraniano em inglês Press TV noticiou nesta segunda-feira (30) que a arma usada para matar o cientista nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh na semana passada foi feita em Israel, inimigo de longa data da República Islâmica.

“As armas recolhidas no local do ato terrorista (onde Fakhrizadeh foi assassinado) trazem o logotipo e as especificações da indústria militar israelense“, disse uma fonte não identificada à Press TV.

Em Jerusalém, não houve resposta imediata das autoridades israelenses contatadas para comentar a reportagem.

Foto divulgada pela agência semioficial Fars mostra local onde o cientista iraniano Mohsen Fakhrizadeh foi morto na sexta-feira (27) — Foto: Fars News Agency via AP

Foto divulgada pela agência semioficial Fars mostra local onde o cientista iraniano Mohsen Fakhrizadeh foi morto na sexta-feira (27) — Foto: Fars News Agency via AP

No domingo, a agência de notícias semioficial iraniana Fars disse que Fakhrizadeh foi morto com uma metralhadora operada por controle remoto, e o canal em árabe Al Alam TV noticiou que as armas usadas foram “controladas por satélite”.

Na sexta-feira, testemunhas disseram à TV estatal que havia atiradores no local.

Falando antes da publicação da reportagem da Press TV, o ministro israelense da Inteligência, Eli Cohen, disse à rádio 103 FM nesta segunda-feira que não sabe quem foram os responsáveis.

Fakhrizadeh, identificado por Israel como uma das pessoas mais influentes no que afirma ser o empenho iraniano para obter armas nucleares, foi assassinado na sexta-feira quando seu carro foi crivado de balas em uma rodovia próxima de Teerã.

VENCER SEM ÓDIO, BOLSONARO PERDE O TOQUE DE MIDAS, PT E PSDB ENFRAQUECIDOS: 10 PONTOS FUNDAMENTAIS SOBRE A ELEIÇÃO DE 2020

A eleição deste ano deixa alguns recados para 2022, para diferentes forças políticas e possíveis candidatos.

1º. Jair Bolsonaro sai derrotado, embora não se possa afirmar com clareza que isso signifique um enfraquecimento de sua força. Eleição municipal tem pouca correspondência com eleição nacional. Nas cidades, prevalece a preocupação com problemas locais.

2º. Mas… é fato que Bolsonaro não tem mais o toque de Midas que mostrou em 2018, elegendo gente do naipe de Wilson Witzel e deputados tresloucados do PSL.

3º. O DEM e o Centrão foram os grandes vencedores, aumentando bem o total de prefeituras sob seus comandos: DEM (+191), PP (+186), PSD (+114), Republicanos (+105) e Podemos (+72).

4º. O PT de Lula sai fragorosamente derrotado. Não governa nenhuma capital do país e perdeu 74 prefeituras no total.

5º. O PSDB de João Doria manteve São Paulo, mas também sai menor. Foi quem mais perdeu capitais e sai com 285 prefeitos a menos.

6º. O PDT sai como a principal legenda da esquerda, com o maior número de prefeitos, e Ciro Gomes mantendo Fortaleza, com a vitória de José Sarto.

7º. O PSOL sai bem maior do que entrou. Guilherme Boulos conseguiu fazer uma rara frente de esquerda em torno de si. E seu discurso da derrota, em tom de vitória, deu sinais de que ele quer protagonismo em 2022.

8º. O Novo elegeu apenas um prefeito.

9º. A derrota de Crivella entra para a biografia da Igreja Universal e de seu plano de poder, ainda que o Republicanos tenha aumentado em 105 seu número de prefeitos.

E, finalmente, a décima lição, talvez a que carregue mais significado:

10º. Os eleitores deram recado de que gostam também de candidatos educados, polidos, capazes de falar uma frase sem palavrão ou as calúnias, difamações, injúrias e ofensas que vinham marcando a política brasileira nos últimos anos. À direita ou à esquerda, venceu, com exceções, claro, quem soube disputar com civilidade.

Época/ Guilherme Amado

Prefeitos eleitos no 2º turno; FRASES

Veja o que disseram os prefeitos eleitos em 2º turno em 2020:

“As urnas falaram, e a democracia está viva. São Paulo mostrou que restam poucos dias para o negacionismo e para o obscurantismo. São Paulo disse ‘sim’ à democracia. São Paulo disse ‘sim’ à ciência, disse ‘sim’ à moderação, disse ‘sim’ ao equilíbrio.”

Bruno Covas após ser reeleito prefeito de São Paulo, neste domingo (29). — Foto: REUTERS/Amanda Perobelli

Bruno Covas após ser reeleito prefeito de São Paulo, neste domingo (29). — Foto: REUTERS/Amanda Perobelli

“A primeira mensagem que eu queria passar é de agradecimento aos cariocas que foram às urnas e acreditaram nas nossas propostas. Queria também celebrar aqui uma vitória da política. Nós passamos os últimos anos radicalizando a política brasileira. O resultado desse radicalismo certamente não fez bem a nenhum de nós, cariocas, não fez bem a nenhum de nós, brasileiros.”

Eduardo Paes (DEM), eleito prefeito do Rio de Janeiro — Foto: REUTERS/Sergio Moraes

Eduardo Paes (DEM), eleito prefeito do Rio de Janeiro — Foto: REUTERS/Sergio Moraes

Partidos do Centrão vão comandar quase metade dos municípios do país

O grupo de partidos que formam o chamado Centrão, base política na Câmara dos Deputados do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), vai administrar mais de 2,6 mil municípios a partir de 2021, o equivalente a 47% das cidades brasileiras. O número de moradores nesses municípios (cerca de 78 milhões de pessoas), por sua vez, representa aproximadamente 40% da população do país.

O desempenho do Centrão na disputa municipal, que realizou o segundo turno neste domingo (29), é visto com atenção por lideranças políticas de olho nas eleições de 2022. Isso porque o bloco tem capilaridade em centenas de municípios e pode ajudar a mobilizar eleitores na corrida presidencial daqui a dois anos. O resultado das urnas pode também ampliar a força política do Centrão junto ao governo federal.

Entre os 11 partidos que formam o grupo, PP, PSD e PL são as legendas com o maior número de prefeituras. Mas a diferença é pequena. Enquanto PP venceu em 685 municípios, o PSD vai administrar 655 a partir de 2021. O PL ficou em terceiro lugar, com 345 prefeituras.

Embora dispute com o PP a liderança das legendas do Centrão com maior força eleitoral, o PSD está à frente em um conjunto de cidades com maior número de moradores – o total é de aproximadamente 23 milhões. A legenda vai comandar, por exemplo, Belo Horizonte, onde o prefeito Alexandre Kalil venceu ainda no primeiro turno, com 63% dos votos.

A capital mineira é o maior município sob o comando do PSD no país. Entre as grandes cidades, a legenda vai administrar ainda Guarulhos (SP), Campo Grande (MS) e Campina Grande (PB). Já o PP vai administrar Nova Iguaçu (RJ), João Pessoa (PB), Uberlândia (MG) e Rio Branco (AC).

No grupo do Centrão, não foram considerados o MDB e DEM, que anunciaram a saída do bloco em julho. Permaneceram na base de apoio do presidente PP, PSD, PL, PTB, Republicanos, Cidadania, PSC, Solidariedade, Avante, Patriota e Pros.

Oito em cada dez operações policiais no Grande Rio resultam em morte, diz levantamento

Oito em cada dez operações policiais realizadas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro em outubro resultaram em morte. O levantamento foi divulgado no relatório produzido pelo Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos (Geni) da Universidade Federal Fluminense (UFF).

O levantamento está em sincronia com os dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública do Rio (ISP-Rio) na quarta-feira (25). Os números do ISP mostram que o RJ teve em outubro o maior número de mortes causadas por intervenção policial nos últimos seis meses.

“O relatório está apontando para um aumento das operações com mortes. No mês de setembro, 3 em cada 10 operações tinham mortes como resultado. Em outubro, esse número subiu e são 8 em cada 10 operações que resultam em mortes. Há um descontrole neste aumento”, disse o coordenador do Geni, sociólogo André Hirata.

“Apesar de ter o mandado do uso da força, é preciso que as policias usem estratégia. Mas o que a gente observa é que isso não tem acontecido. Isso é o mais estarrecedor. No mês de outubro, parece que foi assumido pelo Governo do Estado do Rio que as operações deveriam voltar de forma rotineira. Só que elas deveriam ser utilizadas em situações excepcionais”, completou o coordenador.

Julgamento do 1º pedido de impeachment contra governador de SC ocorre nesta sexta

julgamento do primeiro pedido de impeachment contra o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva (PSL), ocorre nesta sexta-feira (27) em Florianópolis. A sessão está marcada para começar às 9h no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). No julgamento, os cinco desembargadores e cinco deputados estaduais que integram o tribunal especial de julgamento vão decidir se Moisés volta ao posto ou perde o cargo de forma definitiva.

O governador é acusado de crime de responsabilidade no aumento salarial dado aos procuradores do estado, com o intuito de equiparar os salários aos dos servidores do legislativo. A equidade foi concedida em setembro de 2019. O TCE mandou suspender o pagamento do aumento em maio. A defesa de Moisés nega que houve crime e acredita na absolvição dele no julgamento desta sexta.

Ele está afastado do cargo de governador desde 27 de outubro. Isso ocorreu porque o tribunal especial de julgamento, em sessão de 24 de outubro, decidiu aceitar a denúncia contra ele e rejeitar a parte referente à vice-governadoraDaniela Reinehr (sem partido).

Por causa disso, ela assumiu como governadora interina desde que Moisés foi afastado.

Nesta sexta, caso o governador seja absolvido, ele volta ao posto. Porém, caso seja condenado, perde o cargo de forma definitiva e Reinehr passa a ser a governadora do estado.

Moisés também fica inabilitado para o exercício da função pública. Para que haja condenação, é preciso um mínimo de sete entre os 10 votos possíveis.

Daniela Reinehr chega no Centro Administrativo do governo de SC para primeiro ato como governadora, em 27 de outubro  — Foto: Diorgenes Pandini/NSC

Daniela Reinehr chega no Centro Administrativo do governo de SC para primeiro ato como governadora, em 27 de outubro — Foto: Diorgenes Pandini/NSC