Com homenagem a Maradona, Tévez marca, e Inter perde para o Boca

  • Quando os deuses do futebol decidem fazer história, não tem jeito. Carlos Tévez precisou de apenas uma chance para fazer o gol da vitória do Boca Juniors sobre o Inter no Beira-Rio, na noite chuvosa desta quarta-feira, no primeiro jogo das oitavas de final da Libertadores. Justo o camisa 10 que tanto sofreu com a morte do ídolo Maradona. A comemoração não teria menos que uma homenagem ao Pibe. Já o Colorado resumiu-se a um mero coadjuvante, com duas oportunidades perdidas.

  • Como fica

    O Boca leva a vantagem do empate para o segundo jogo, na quarta-feira que vem, na Bombonera. Ao Inter restará uma vitória por dois gols de diferença. Se devolver o placar desta noite, a decisão vai para os pênaltis. Devido ao saldo qualificado, o time gaúcho também fica com a vaga se fizer 2 a 1, 3 a 2, assim por diante.

  • Próximos jogos

    Antes de se reecontrarem, Inter e Boca entram em campo pelos campeonatos nacionais no domingo. O Colorado enfrenta o Atlético-MG no Mineirão, às 18h15. Os xeneizes visitam o Talleres às 19h20.

    • Primeiro tempo

      Com o campo pesado devido à forte chuva que caiu minutos antes da partida, as duas equipes tiveram dificuldades para criar. As disputas se tornaram mais físicas que por qualquer outra construção. Em rebote de escanteio, Patrick finalizou pela primeira vez, para fora. Em seguida, Lindoso recebeu na ponta direita e acertou a rede pelo lado de fora. Então, o Boca cresceu no jogo. Mas a melhor chance só veio aos 30, em contra-ataque que Villa chutou cruzado à esquerda de Marcelo Lomba. Aos 44, o goleiro colorado voou para espalmar pancada de Cardona.

    • Segundo tempo

      O Inter perdeu a chance de abrir o placar em duas oportunidades. Aos três, Heitor entrou em velocidade na área e chutou prensado, quase encobrindo Andrada. Aos 12, Rodrigo Lindoso recebeu cruzamento de Uendel e, livre, errou a cabeçada. Então, o Boca aproveitou vacilo de Uendel e Zé Gabriel para marcar. Salvio pegou a bola já dentro da área e rolou para Tévez deslocar Marcelo Lomba. Sem muita inspiração, o Colorado ainda acertou a trave em cobrança de falta de Fernández, aos 34. Patrick finalizou na cara do goleiro aos 40 e ainda pediu pênalti. No último lance do jogo, Marcelo Lomba evitou o segundo gol argentino.

    • De 10 para 10

      Carlos Tévez sentiu a morte do ídolo Diego Maradona, na quarta-feira da semana passada, que inclusive adiou a primeira partida das oitavas de final da Libertadores. Além disso, seu pai enfrenta uma doença grave. O atacante pediu para não jogar no Campeonato Argentino. Mas nesta noite fez o que Maradona merecia. Marcou após falha da zaga do Inter, tirou a camisa e mostrou outra número 10, usada pelo Pibe na década de 80 pelo Boca.

    • Invencibilidade quebrada

      Mais uma vez na tentativa de retomar o bom futebol, o Inter apostou na invencibilidade contra times argentinos no Beira-Rio por competições sul-americanas. Após 11 partidas, eram seis vitórias e cinco empates. Só que Rodrigo Lindoso errou cabeçada na pequena área, Fernández cobrou falta na trave…

    • Aguaceiro pré-jogo

      Antes de a bola rolar no Beira-Rio, uma tempestade desabou sobre Porto Alegre. Foram cerca de 15 minutos de vento e chuva fortes. Uma parte do gramado ficou cheia de água. Mas, ao longo do primeiro tempo, a drenagem do campo deu conta.

Exagero de Abel? Palmeiras pode, sim, vender Veron por valor maior do que o de Neymar

Após a vitória por 5 a 0 sobre o Delfín, na última quarta-feira, em casa, pelas oitavas de final da Libertadores, o técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, declarou que “é impossível o Palmeiras vender Gabriel Veron por menos do que Neymar foi vendido ao Barcelona”.

Embora muita gente possa ver a declaração do treinador como exagerada, o fato é que essa avaliação está dentro da realidade pelos valores que envolvem o jogador atualmente.

Gabriel Veron, de 18 anos, assinou recentemente um novo contrato com o Palmeiras, válido até 2025. A multa rescisória é de 60 milhões de euros (cerca de R$ 379 milhões na cotação atual).

Esse valor já seria mais do que os 57 milhões de euros que o Barcelona anunciou como pago para tirar Neymar do Santos, em 2013. Mas a cotação do euro em relação ao real faz com que a diferença seja enorme na moeda brasileira.

Em 2013, o valor pago por Neymar, convertido, foi de cerca de R$ 182 milhões. Com o euro valendo muito mais atualmente, os 60 milhões de euros da multa de Gabriel Veron equivalem hoje a cerca de R$ 379 milhões.

Flamengo dá sinal positivo a oferta do Chipre por Lincoln, que aguarda o Dínamo de Kiev

O Flamengo recebeu uma proposta do Pafos, do Chipre, de 4 milhões de dólares (cerca de R$ 20,5 milhões) por 75% dos direitos econômicos de Lincoln e deu sinal positivo. O atacante é um desejo antigo do clube cipriota, mas o Dínamo de Kiev também tem interesse e seria a preferência do jogador, por disputar competições mais importantes.

O Pafos, atual sexto lugar do campeonato cipriota, deseja fechar a negociação o quanto antes. O Dínamo, que na quarta-feira perdeu para Juventus pela Liga dos Campeões, ainda aguarda a definição de sua classificação para a Liga Europa para saber qual será seu investimento. Saberá na próxima terça, após o duelo com o Ferencváros.

Revelado no Flamengo, Lincoln tem apenas 19 anos e já disputou 64 jogos pelo clube. Marcou oito gols. Considerado uma grande promessa na base, ainda não conseguiu se firmar no profissional e passou a irritar a torcida, principalmente com algumas chances claras que desperdiçou.

No último jogo, contra o Racing, Lincoln não ficou nem no banco. Em sua vaga entrou Rodrigo Muniz, outra promessa da base. A venda do atacante ajudaria a minimizar o prejuízo financeiro que as eliminações precoces na Copa do Brasil e Libertadores acarretaram, além da questão da queda de receita com bilheteria.

Por Cahê Mota — Rio de JaneiroLincol

Com títulos e ótimos números, Bruno Henrique completa 100 jogos pelo Flamengo: “Mudou minha vida”

Bruno Henrique completa nesta terça-feira, contra o Racing, 100 jogos com a camisa do Flamengo. O atacante foi contratado no início de 2019 e, logo no primeiro ano, se tornou um dos protagonistas do time que entrou para a história ao conquistar títulos como o da Libertadores e Brasileiro.

Com contrato até o fim de 2023, Bruno Henrique ainda tem a chance de aumentar ainda mais seu currículo com a camisa do Flamengo. Atualmente ele é o artilheiro do time na Libertadores com quatro gols.

– É um orgulho enorme chegar a esta marca com o manto do Flamengo. Fui muito feliz desde o primeiro dia, criei uma relação muito forte com o clube e com a torcida e pude marcar meu nome na história com títulos e gols importantes. Só posso agradecer por tudo o que venho vivendo aqui e que ainda possamos comemorar muita coisa juntos – disse BH.

Bruno Henrique após a conquista da Libertadores contra o River Plate — Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Bruno Henrique após a conquista da Libertadores contra o River Plate — Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Os números do atacante comprovam a importância que tem para o time, tanto na hora fazer gols quanto na de deixar os companheiros na cara do gol. A parceria com Gabigol é um caso à parte. E a importância do Flamengo na vida do atacante também se tornou singular.

– O Flamengo é sem dúvidas o clube com o qual criei minha maior identificação. Por tudo o que vivemos aqui, por tudo o que conquistamos e construímos juntos desde a minha chegada. São quase dois anos muito intensos e dos quais muito me orgulho. O Flamengo mudou a minha vida e eu sinto que também contribuí para este momento tão marcante na história do clube – afirmou.

Além dos títulos, Bruno Henrique conquistou prêmios individuais durante sua trajetória no Flamengo, como o de melhor jogador da Libertadores 2019 e o de Craque do Brasileirão 2019.

Infográfico: Bruno Henrique 100 jogos pelo Flamengo — Foto: ge

Infográfico: Bruno Henrique 100 jogos pelo Flamengo — Foto: ge

Com gols de centroavantes, Fortaleza e Goiás empatam na Arena Castelão

Um para cada lado

Com oportunismo e dois gols marcados por centroavantes, Fortaleza e Goiás empataram por 1 a 1 na noite desta quinta-feira, pela 23ª rodada da Série A. Fernandão abriu o placar para o Esmeraldino no primeiro tempo, mas Wellington Paulista respondeu na etapa final e deixou tudo igual na Arena Castelão. Superior em boa parte do jogo, o Tricolor teve amplo volume no fim, mas não conseguiu arrancar a virada em casa.

  • Tabela e agenda

    O Fortaleza chega a 29 pontos e vai pulando para a nona posição. O Goiás segue na lanterna, agora com 16. Na próxima quarta (2), o Fortaleza recebe o Corinthians, no Castelão. Antes, na segunda (30), o Goiás visita o Grêmio, na Arena, em jogo atrasado da 6ª rodada.

  • Goiás na frente

    O primeiro tempo começou morno, com leve superioridade do Fortaleza, mas foi o Goiás que abriu o placar. Aos 23 minutos, Fernandão recebeu ótima enfiada de bola de Miguel Figueira e bateu na saída do goleiro Felipe Alves. Em vantagem, o time esmeraldino acabou se retraindo ainda mais e chamando o adversário. Os donos da casa tiveram bom volume de jogo nos minutos finais e só não empataram porque David desperdiçou chance incrível, batendo para fora, aos 46.

    Fortaleza iguala

    Após o intervalo, o Fortaleza partiu com tudo para cima do Goiás. Logo aos 5 minutos, David recebeu na área e bateu cruzado; Tadeu fez grande defesa. Pouco depois, aos 7, foi a vez de Wellington Paulista perder boa chance de cabeça. Aos 15, porém, o camisa 9 não perdoou. Bruno Melo recebeu pela esquerda, chegou à linha de fundo e cruzou na medida para o WP9 mandar para as redes de Tadeu. O Tricolor continou melhor, martelou o Esmeraldino, extremamente recuado, e até marcou com Romarinho, mas a arbitragem pegou impedimento. Yuri César, os 37, parou em Tadeu e perdeu a última grande chance da partida.

    • 100 vezes WP9

      Ao balançar as redes na noite desta quinta-feira, Wellington Paulista atingiu a marca de 100 gols na história do Campeonato Brasileiro. O atacante de 37 anos soma gols por clubes como Paraná, Santos, Botafogo, Cruzeiro, Palmeiras e Internacional, dentre outros.

      WP9 comemora o 100º gol no Brasileiro de pontos corridos

      WP9 comemora o 100º gol no Brasileiro de pontos corridos (Foto: Wellington Paulista)

São Paulo não pedirá anulação de jogo contra o Ceará por erro de direito

O São Paulo decidiu que não pedirá anulação do jogo contra o Ceará, pelo erro de Direito, provocado pela decisão do árbitro Wágner do Nascimento Magalhães de reiniciar o jogo e voltar atrás para marcar impedimento de Pablo no gol previamente validado.

A direção são-paulina entendeu que haveria mais perdas do que ganhos e que um eventual título brasileiro seria manchado pelo pedido de cancelamento da partida. Está claro que o gol de Pablo deveria ser anulado. O problema foi a maneira como a anulação aconteceu.

A decisão impede o maior imbróglio jurídico do Brasileirão desde o rebaixamento da Portuguesa, em 2013, por causa do caso Héverton e a permanência do Fluminense após decisão do tribunal.

O São Paulo ainda tem dois jogos a menos, contra o Goiás, fora de casa, e contra o Botafogo, no Morumbi. Mesmo com os dois pontos perdidos no Castelão, contra o Ceará, o São Paulo pode abrir cinco pontos sobre Atlético e Flamengo, se ganhar as duas partidas que tem a menos.

G1

Marinho entra para o top 100 de maiores artilheiros da história do Santos: “É uma honra”

O gol marcado por Marinho na vitória do Santos por 2 a 1 sobre a LDU, na última terça-feira, no jogo de ida das oitavas de final da Libertadores da América, colocou o atacante na lista dos 100 maiores artilheiros da história do Peixe, com 26 gols.

Em 2019, temporada em chegou ao clube, ele marcou oito gols. Em 2020, porém, o atacante superou a marca e já soma 18 gols entre Campeonato Paulista, Brasileiro e Libertadores.

– Estar entre os 100 maiores artilheiros da história do Santos, um clube que já teve jogadores fantásticos no passado, como o maior de todos, Pelé, é uma honra. Vestir essa camisa tem um peso enorme. O Santos é um clube gigante. Sou um privilegiado por estar aqui e por viver um momento tão especial em minha carreira jogando no Peixe – disse Marinho, ao ge.

Top-10 + Marinho*:

  • Pelé: 1091 gols
  • Pepe: 403 gols
  • Coutinho: 368 gols
  • Toninho Guerreiro: 279 gols
  • Feitiço: 214 gols
  • Dorval: 194 gols
  • Araken Patusca: 184 gols
  • Edu: 184 gols
  • Pagão: 157 gols
  • Tite: 151 gols
  • Marinho: 26 gols
Marinho, do Santos, comemora gol contra a LDU — Foto: Staff images /CONMEBOL

Marinho, do Santos, comemora gol contra a LDU — Foto: Staff images /CONMEBOL

E o gol de número 26 não foi importante somente para marca pessoal do atacante, mas também para o Peixe. Afinal, com o resultado conquistado no Equador, o time larga em vantagem para o confronto de volta, já que pode até perder por 1 a 0, por causa do critério de gols marcados fora de casa.

Com 26 gols, Marinho divide posição de número 100 com jogadores que vestiram a camisa do Santos em períodos diferentes e deixaram sua marca no clube, são eles:

  • Copete (desde 2016 )
  • Euzébio (1973 – 1974)
  • Totonho (1975 – 1976)
  • Zé Love (2010 – 2011)

*os dados são dos historiadores do Santos

Alguns dos ídolos mais recentes do Peixe também estão no top 100, como Neymar (138), Robinho (111) e Ricardo Oliveira (92). Serginho Chulapa tem 104 gols.

– Espero melhorar ainda mais meus números com a camisa do clube e, quem sabe, entrar no top 90, 80…vou trabalhar por isso – falou o atacante.

Marinho também tem se destacado pelo seu comprometimento tático em campo nesta temporada. Em 2019, era comum o atacante ser lembrado por ser “fominha” por sempre arriscar o chute quando estava próximo à grande área. Em 2020, porém, o camisa 11 mudou de postura, ficou mais participativo e tornou-se líder e referência técnica para os companheiros em campo.

O Santos volta a campo neste sábado, às 17h (de Brasília), quando o Peixe enfrenta o Sport, na Vila Belmiro, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Protesto no Náutico após jogo acaba com balas de borracha e bombas de efeito moral; vídeo

A má fase do Náutico na Série B do Brasileiro refletiu em um encontro violento entre torcedores e a Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) na noite desta quarta-feira, na sede do clube, nos Aflitos. Após o empate sem gols com o Vitória, torcedores que protestavam foram dispersados com tiros de bala de borracha e bombas de efeito moral.

Conforme apurou o ge, um grupo de trinta a quarenta torcedores gritava xingamentos contra a diretoria e presidência do clube. Em certo momento, policiais do batalhão de choque da PMPE chegaram e dispersaram todos. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento (veja acima).

Protesto de torcedores do Náutico é dispersado com tiros de bala de borracha e bombas — Foto: Reprodução

Protesto de torcedores do Náutico é dispersado com tiros de bala de borracha e bombas — Foto: Reprodução

Este é o segundo protesto da torcida neste momento crítico do Náutico na Série B, em que o time está na zona de rebaixamento e não vence nos Aflitos há mais de dois meses. Na última sexta-feira, um grupo de torcedores invadiu o treino dos jogadores no CT e o clube relatou uso de bombas.

A reportagem tentou contato com a assessoria do clube e com a Polícia Militar de Pernambuco para falar sobre o ocorrido, mas ainda não recebeu respostas.

O Timbu empatou sem gols com o Vitória, primeiro time fora do Z-4, nesta quarta. O resultado manteve o time a cinco pontos de sair da área de queda.

Protesto de torcedores do Náutico é dispersado com tiros de borracha e bombas — Foto: Reprodução

Protesto de torcedores do Náutico é dispersado com tiros de borracha e bombas — Foto: Reprodução

Por Redação do ge — Recife

Autuori destaca nível competitivo do Athletico contra o River Plate: “Saímos mais fortes deste jogo”

O técnico Paulo Autuori destacou o nível competitivo e a evolução do Athletico após o empate por 1 a 1 com o River Plate. Cheio de desfalques, o Furacão saiu na frente com Bissoli, perdeu um jogador expulso (Reinaldo) e sofreu o empate aos 45 do segundo tempo.

Nada a lamentar, pelo contrário. A certeza de que vamos sair deste jogo mais fortes e com a ideia clara de que, em termos competitivos, não temos que temer a nada e a ninguém.
— Paulo Autuori, técnico do Athletico

O empate quebrou a sequência de vitórias do Athletico (eram quatro seguidas), mas ampliou a invencibilidade. Com esses resultados, o Furacão saltou da vice-lanterna para o nono lugar no Brasileirão. E o empate com o River deixa o confronto em aberto na Libertadores.

– Algumas semanas atrás, o estado anímico da equipe era bem baixo e vem crescendo. Hoje, enfrentando o River com todas essas dificuldades, o fez de uma maneira muito boa, o que nos leva a crer que temos nível competitivo para disputar qualquer tipo de jogo, contra qualquer equipe aqui da América do Sul e pensar em conseguir objetivos grandes.

O jogo de volta do Athletico contra o River será na terça que vem, dia 1°, às 19h15, no Estádio Libertadores da América, casa do Independiente, em Avellaneda. O gol fora é critério de desempate. Com isso, 0 a 0 dá River. Empate por dois ou mais gols (2 a 2, 3 a 3…) dá Athletico. E 1 a 1 leva para os pênaltis. E quem vencer, claro, avança.

Análise: no dilema do copo meio cheio ou vazio, Flamengo deve celebrar resultado e refletir sobre performance

Um Flamengo com cara de Libertadores, mas sem cara de Flamengo. Ao menos não do time que fez da imposição técnica e agressividade marcas para vencer a competição em 2019. O empate por 1 a 1 com o Racing, em Avellaneda, foi conquistado na raça, no embate físico e no lampejo do que houve de melhor no ano passado: a dupla Bruno Henrique e Gabigol.

O comparativo é o ônus para quem fez história e entrou em campo com oito dos 11 titulares da conquista de um ano atrás. Jogar menos do que é capaz, por sua vez, não diminui o fato de que o Flamengo desembarca nesta quarta-feira no Brasil com um bom resultado na bagagem e uma semana para treinar, se classificar e convencer na decisão da próxima terça-feira.

Dupla de ataque foi o que o Flamengo apresentou de melhor em Buenos Aires — Foto: Staff images /CONMEBOL

Dupla de ataque foi o que o Flamengo apresentou de melhor em Buenos Aires — Foto: Staff images /CONMEBOL