Pedro Scooby volta a surfar em Nazaré após acidente: “Estava ansioso”

Pedro Scooby, de 31 anos de idade, voltou a Nazaré, em Portugal, na manhã desta quarta-feira (20) após sofrer um acidente ao surfarno local na semana passada. O atleta, que é ex de Luana Piovani, 43, e Anitta, 26, registrou o retorno no Instagram.

“É bom estar aqui de novo depois do último susto que tomei. Estava ansioso para voltar para a água. Meu ombro ainda não está 100%, doendo para caramba, mas eu queria”, disse o surfista no Stories.

Horas depois, Scooby publicou uma série de vídeos para falar sobre as ondas. “Estou vivo! Voltando para casa. Valeu todo mundo que se preocupou comigo e me mandou mensagens positivas. A vida é isso, galera. A gente vai, leva um tombo, levanta e continua andando. Não pode deixar os monstros vencerem a gente.”

Scooby já havia respondido os fãs que questionaram sobre uma possível pausa na carreira por conta do acidente. “Galera, minha cabeça está tranquila, acho que acidente é isso… sempre que entro no mar já espero por isso. As pessoas falam loucuras, que eu tenho que parar de pegar onda grande. Gente, é o que eu faço pra vida, minha profissão, coisa que eu mais amo”.

 

Do outro lado, pouca festa: River tem apoio tímido da torcida na saída do Monumental de Nuñez

Se uma multidão de rubro-negros compareceu ao Ninho do Urubu para apoiar a saída do ônibus do Flamengo rumo ao aeroporto para viajar até Lima, no lado do rival da final da Libertadores a situação foi completamente diferente. O entorno do Monumental de Nuñez, estádio do River Plate, não tinha indícios de que o time sairia para uma partida importante.

Apenas cerca de 40 pessoas compareceram para acompanhar a saída da delegação do time argentino rumo ao aeroporto. A comissão de torcedores não planejou nenhuma festa e não solicitou reforço policial para fechar as ruas.

Alguns fatores podem ajudar a entender a pouca mobilização: a grande sequência de finais do River na competição, briga entre diretoria do clube e torcidas organizadas, e o fato de que em Buenos Aires não é feriado como no Rio de Janeiro. Mesmo assim, chamou a atenção a falta de carreatas e bandeirões, algo visto, por exemplo, na semifinal contra o Boca Juniors.

Decolou! Após festa no Rio, Flamengo parte rumo a Lima para final da Libertadores

O Flamengo está a caminho de Lima. Após recepção dos torcedores na saída do Ninho do Urubu, em Vargem Grande, e festa até o Aeroporto Internacional do Galeão, a delegação decolou rumo ao Peru às 16h30 (de Brasília) desta quarta-feira.

A viagem dura aproximadamente 5h30. A expectativa da delegação é pousar na capital peruana por volta das 22h. O GloboEsporte.com acompanha a chegada em Tempo Real direto de Lima.

A festa começou cedo no Rio de Janeiro. Os torcedores começaram a se aglomerar na porta do Ninho a partir das 9h, horário da última atividade do Flamengo no Brasil antes do embarque. De acordo com a Polícia Militar, cerca de dez mil pessoas estavam reunidas no momento da saída do ônibus rumo ao Galeão.

Com gol de camisa 10 e de falta, Brasil volta a vencer: 3 a 0 sobre a Coreia do Sul; Assista ao pós-jogo

Agora, Brasil só em março

A série negativa ficou para trás. A seleção brasileira venceu com tranquilidade a Coreia do Sul por 3 a 0 – gols de Lucas Paquetá, Philippe Coutinho e Danilo – no estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Depois da derrota para a Argentina, o time de Tite venceu seu último compromisso do ano.

Brasil x Coreia do Sul

Brasil x Coreia do Sul (Foto: AFP)

O Brasil agora só volta a campo em compromisso oficial, nas eliminatórias, em março do ano que vem. O sorteio para a definição da tabela, em pontos corridos, será realizado em Cartagena, na Colômbia, dia 3 de dezembro.

  • Lodi vai bem

    O melhor jogador do Brasil na vitória sobre a Coreia do Sul não fez gol. Mas deu passe para dois. Renan Lodi cruzou perfeito para Lucas Paquetá, em boa jogada de Coutinho, no primeiro tempo e foi preciso na segunda etapa, com cruzamento rasteiro, para Danilo fuzilar.

    Gol, Brasil x Coreia do Sul, Lucas Paquetá

    Gol, Brasil x Coreia do Sul, Lucas Paquetá (Foto: Mahmoud Khaled/Reuters)

    Na vitória por 3 a 0 sobre a Coreia do Sul, a seleção brasileira, com cinco alterações, conseguiu soltar mais o seu jogo. Foi interessante notar a aproximação e o entendimento de Paquetá e Coutinho, com apoio de Arthur, quase sempre em avanços pela esquerda. Era lá que subia – e bem – Lodi.

    Coutinho Brasil Coreia do Sul

    Coutinho Brasil Coreia do Sul (Foto: AFP)

    Fabinho substituiu bem Casemiro e disse “presente” para a disputa de vaga. Roubou a bola e sofreu a falta no gol de Philippe Coutinho. Aliás, reparou bem? Saiu gol de falta. Depois de quase cinco anos. A última vez tinha sido em batida de Neymar no dia 4 de setembro de 2014 (1 a 0 em cima da Colômbia).

    Globo

Luxemburgo discorda de crítica de Jorge Jesus a técnicos brasileiros: “Ele não deveria generalizar”

Após o empate com o Goiás, em São Januário, nesta segunda-feira, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico do Vasco, Vanderlei Luxemburgo, falou sobre as recentes declarações de Jorge Jesus, treinador do Flamengo, sobre as críticas que o português afirmou receber de outros técnicos brasileiros.

– Eu acompanhei a declaração dele. O primeiro encontro que tive com o Jesus foi num restaurante na Barra. Depois, tivemos uma reunião de todos os técnicos convidados pelo Juninho no Maracanã. Ele estava presente, sentou conosco, conversou, deu opinião. O que eu achei, vendo a declaração, é que ele generalizou. Ele colocou todos os técnicos como se todos o rejeitassem. Se ele tem alguém, que ele fale dessa pessoa. Quando ele coloca todo mundo, não é correto.

– Não tem ninguém aqui rejeitando. O que existe é um técnico estrangeiro fazendo um bom trabalho aqui e uma parte da imprensa fazendo um enfrentamento entre nós. Não tem nada a ver com Jesus ou Sampaoli. São bons profissionais que estão aqui e são muito bem aceitos. Eu estou sempre no restaurante que o Jesus também está. Acho que ele não deveria generalizar. Se não, parece que todos estão contra ele. E isso é uma inverdade.

A galope, Arrasca curte o Rio e a fase no Flamengo: “Sentimento de pertencimento ao clube muito grande”

Não é só uma questão de nome. É paixão e identificação. O Giorgian por trás do ídolo que os cariocas transformaram em Arrasca. Apelido que pegou até no Uruguai e ajuda a entender o sucesso com a camisa do Flamengo do menino que cresceu entre bolas e cavalos. Não à toa, foi batizado em homenagem àquele que mais deu alegrias ao pai no turfe.

O sorriso fácil que acompanha os gritos de “Arraxxxca” com sotaque puxado do Rio De Janeiro supera a timidez do meia que trocou o medo de ser jóquei pelo talento no futebol. Sábado, em Lima, o camisa 14 tem o maior desafio da carreira: vencer o River Plate e erguer a Libertadores, dando sequência ao legado do nome mais vitorioso da família De Arrascaeta: Giorgian.

– É um nome único. Era um cavalo que tive por muitos anos e me deu muitas alegrias na vida. Venci corridas importantes – explica Alfredo, patriarca e jóquei de sucesso no turfe uruguaio.

Arrascaeta tem quatro cavalos: três de corrida e um novo Giorgian — Foto: Arquivo Pessoal

Arrascaeta tem quatro cavalos: três de corrida e um novo Giorgian — Foto: Arquivo Pessoal

O sonho de seguir os passos do pai ficou pelo caminho. Uma fratura de braço de Alfredo fez com que o pequeno Giorgian optasse por um esporte menos “perigoso”. A paixão por cavalos, no entanto, segue intacta para o dono de Scalado, Kemey, Yesse Yoeee (todos de corrida) e… um novo Giorgian:

Viralizou: Gol do Gabigol em Londres, provocação após expulsão e choro de Jajá

Passou mais um fim de semana de Brasileirão e o conselho é o seguinte: aproveitem, está acabando. O Flamengo está tão próximo de definir o título que pode ser campeão sem nem entrar em campo no próximo fim de semana. Até mesmo os palmeirenses estão jogando a toalha. Rubro-negros venceram o Grêmio neste domingo, colocaram a mão na taça e foram personagens de momentos que bombaram nas rede sociais.

Um dos nomes que mais geram reações emocionadas entre torcedores, Gabigol voltou a brilhar com o gol da vitória, mas também teve seu momento de vilão. Por reclamação, acabou expulso na segunda etapa e aproveitou para provocar a torcida gremista. Contando os cinco dedos da mão, relembrou a goleada na semifinal da Libertadores enquanto deixava o gramado sob vaias.

O 22º gol do artilheiro do Brasileirão foi de pênalti, ainda no primeiro tempo. E a bola na rede teve ressonância do outro lado do Atlântico, em Londres, na Inglaterra. É isso mesmo. Um espectador do duelo entre o grego Stefanos Tsitsipas e o austríaco Dominic Thiem, pela decisão do ATP Finals, quebrou o protocolo e rompeu o silêncio sepulcral tradicional das partidas de tênis para gritar que “tem gol do Gabigol”

Realmente vivemos num mundo sem fronteiras, não é verdade? Mas para o Mister Jorge Jesus, tem gente aqui no Brasil que precisa aprender um pouco sobre globalização. Em desabafo pelas críticas que vem recebendo de treinadores daqui, Jesus relembrou técnico brasileiros que já trabalharam em Portugal e disse que não sabe mais do que ninguém e muito menos veio roubar o lugar dos outros. Nas redes, a postura foi elogiada.

Jorge Sampaoli também chamou atenção na entrevista coletiva pós-jogo. Após o clássico entre Santos e São Paulo que terminou empatado em 1 a 1, Sampaoli foi perguntado sobre a presença de Jair Bolsonaro na Vila Belmiro. Quem achou que o argentino, com conhecida posição política contrária à do Presidente, iria polemizar, se enganou. Ele preferiu defender a democracia e falou até sobre a crise na Bolívia. Alguns internautas mais empolgados chegaram a considerar a candidatura do argentino para a presidência do Brasil.

“Pagode do Tetra” embala festa do título do Brasil sub-17 no vestiário e até na churrascaria

música que embalou toda a campanha da seleção brasileira não poderia faltar na comemoração do título. O “Pagode do Tetra” virou realidade com o quarto Mundial Sub-17 conquistado pelo Brasil e foi a música mais cantada pelos jogadores e membros da comissão técnica no vestiário e até na churrascaria onde o grupo celebra a vitória por 2 a 1 sobre o México na decisão deste domingo.

Ainda no vestiário do Bezerrão, os jogadores cantavam a música, criada pelo médico Guilherme Dilda e apresentada aos jovens durante o Mundial. O ápice foi quando o técnico Guilherme Dalla Déa apareceu com a taça nas mãos e saltou como um dos garotos que treina. Mas há um detalhe: o treinador teve uma lesão no joelho durante a virada por 3 a 2 contra a França e precisou tomar injeção com um medicamento na região para aliviar a dor.

Tudo foi amplamente registrado pelos jogadores nas redes sociais. Os atacantes Peglow e Kaio Jorge, por exemplo, aproveitaram as comemorações e fizeram uma videochamada com o MC Kevin, que também postou em homenagem aos dois amigos.

Análise: o que se pode (e deve) esperar do Palmeiras em 2020

empate com o Bahia no último domingo deve fazer o Palmeiras virar a página de 2019 de uma vez por todas e projetar uma próxima temporada com adaptações importantes para o trabalho de Mano Menezes.

Vale destacar que o desempenho do time, com a antiga ou a atual comissão técnica, é muito eficiente, assim como o projeto liderado por Alexandre Mattos desde 2015. Mas há a necessidade de mudanças no Verdão para 2020.

O Palmeiras perdeu muita força. Seja no setor ofensivo, na armação ou até na marcação, não se vê mais com frequência a intensidade como destaque no time alviverde. Desempenhos como contra o São Paulo, no Choque-Rei disputado na arena, no dia 30 de outubro, se tornaram exceções em comparação aos jogos recentes do time, quando pelo menos um tempo foi ruim ou bem abaixo das expectativas.

Contra o Grêmio, Flamengo tem a chance de igualar sua maior invencibilidade neste século

Na caminhada em busca do título brasileiro, o Flamengo tem a chance de alcançar mais uma marca importante este ano. Neste domingo, o Rubro-Negro enfrenta o Grêmio, em Porto Alegre, e, caso não seja derrotado, chega a 25 jogos de invencibilidade, e iguala sua melhor marca do século. Em 2011, com Luxemburgo no comando e Ronaldinho e Thiago Neves em campo, a equipe ficou 25 partidas sem perder.

Arrascaeta em duelo com o Grêmio — Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Arrascaeta em duelo com o Grêmio — Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

O time de Jorge Jesus já tem o recorde de sua maior série invicta em Brasileiros. Na edição de 1980, a geração comandada por Zico havia ficado 17 rodadas sem perder e terminou com o título.O Flamengo não terá sua força máxima neste domingo. Bruno Henrique, Gerson e Arão estão suspensos, e Pablo Marí e Vitinho foram retirados da relação por causa de dores musculares. A prioridade é a preparação para a final da Libertadores, sábado, contra o River Plate, em Lima, no Peru.

A tendência é que a missão rubro-negra em Porto Alegre fique ainda mais difícil. Enfrentar o Grêmio em sua nova casa, na verdade, sempre foi complicado para o Fla. Este será o nono duelo na Arena Grêmio, e o histórico é de cinco vitórias dos gaúchos e três empates. O adversário tem cinco vitórias consecutivas no Brasileiro desde a eliminação na Libertadores.

A favor do Flamengo, no entanto, está o ótimo desempenho da equipe nas duas partidas da semifinal da Libertadores, incluindo o 5 a 0 no Maracanã (assista aos gols no vídeo acima). Arrascaeta afirmou que o time não está apenas com o River na cabeça e que fará de tudo para conseguir um bom resultado.

– Temos a final da Libertadores, mas também é muito importante para nós a reta final do Brasileiro. Não tenho dúvida que o time deles vai se doar muito, vai com tudo a cada jogada, dividida. Temos que ir preparados para fazer o jogo, tentar jogar da mesma forma. Tentar tirar proveito dos mínimos detalhes, onde se faz diferença – disse o uruguaio.

Líder do Brasileiro com 78 pontos, o Flamengo tem 11 pontos a mais do que o Palmeiras, que tem um jogo a menos. O Rubro-Negro precisa de mais sete pontos em cinco jogos para ser o campeão.