Campo Grande, 25 de setembro de 2021

Menino de 10 anos se ‘revolta’ e dá banho em árvore para tentar salvá-la de envenenamento em MS

O estudante de 10 anos, Heitor Ortiz, mobilizou parte da família na última quarta-feira (27) para tentar salvar uma árvore que foi envenenada com óleo diesel, no bairro Vilas Boas, em Campo Grande. De acordo com a tia do garoto, ele ficou revoltado ao saber da situação do ângico, árvore típica do cerrado brasileiro.

“Ele ficou indignado com o que fizeram com a árvore. O Heitor chamou eu e a mãe dele e após pesquisarmos na internet, descobrimos que o detergente ajudaria a remover parte do óleo diesel”, explicou Ana Ribeiro, tia do menino.

Conforme Ana, o estudante sempre gostou da natureza e após lavarem parte do tronco com água e detergente, ele mesmo resolveu deixar um recado para os que passassem pelo o local: “Ele chegou a fazer alguns cartazes para dizer que aquela árvore estava em recuperação. Depois que lavamos parte dela [árvore], o cheiro diminuiu muito”, comemora.

Heitor conta que sempre gostou de animais e acredita que se cada um fizer sua parte, a natureza agradecerá: “As árvores precisam ser ajudadas. Elas também têm vida. A gente veio aqui para dar um banho de água neste ângico e tentar tirar esse óleo que jogaram nela. Qualquer parte da natureza é importante para nossa vida””, explicou ao G1.

Ana conta que fazia caminhada quando descobriu o produto não só na árvore, mas nas proximidades do solo do ângico. Ela afirma que desde ontem, o Heitor e a família já deram três banhos na parte do tronco para tentar salvá-la do envenenamento: “Jogaram o diesel bem na base [do tronco] para que atingisse as raízes.”, lamenta.

Investigação

O delegado da Decat [Delegacia Especializada de Atendimento ao Turista e Repressão ao Meio Ambiente], Maércio Barbosa, disse que a atitude de jogar óleo diesel na árvore é crime ambiental. Ele ainda afirmou que policiais vão até o bairro para conversar com moradores e verificar se há imagens de câmera de segurança para tentar identificar o autor.

Conforme Barbosa, a punição para esse crime é de três meses a 1 ano de detenção e alerta para quem flagrar crimes dessa natureza, é importante que denuncie por meio do endereço eletrônico: decat@pc.ms.gov.br.

Conforme a Decat, nos último dois anos, 17 mil árvores foram destruídas por conta de vandalismo em Mato Grosso do Sul.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 5 =