Campo Grande, 19 de setembro de 2021

Kemp cobra rigor em apuração de denúncias contra políticos e agentes públicos

O deputado Pedro Kemp (PT) falou sobre as recentes denúncias veiculadas contra políticos e funcionários do governo federal, durante a sessão desta quarta-feira (20) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS). O parlamentar cobrou rigor na apuração e condenação de possíveis culpados.

“O discurso da moralidade do presidente Bolsonaro já caiu por terra, vemos denúncias envolvendo os filhos dele. No caso Queiroz, que descontava recursos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, o esquema era organizado no gabinete do Flávio Bolsonaro. Também têm denúncias de envolvimento com as milícias do Rio de Janeiro. Flávio e Queiroz foram chamados para depor e não foram”, afirmou.

Kemp defendeu a apuração do caso. “Denúncias de corrupção ou mal feitos precisam ser investigadas, não podem passar de forma ilesa. A população está muito atenta”, disse. “Eu trago esse debate até porque meu partido foi alvo de uma enxurrada de ataques e denúncias nos últimos anos. Assim como o PT está pagando caro, nós queremos que demais partidos e agentes respondam pelas denúncias”, alegou.

O parlamentar ainda destacou as denúncias que envolveram dois ministros do governo federal. “O ministro do Turismo foi acusado de patrocinar candidatura laranja no PSL [Partido Social Liberal] e nada foi feito. Outra denúncia do mesmo tema respingou no ministro da Secretaria-Geral da presidência, Gustavo Bebianno, o que resultou na demissão dele. Para o Bolsonaro ser coerente com a promessa de que ninguém envolvido com corrupção permaneceria em seu governo, tem que demitir o outro também”, cobrou Kemp.

Em aparte, o deputado Capitão Contar (PSL) falou sobre as apurações. “Queremos que pessoas corruptas paguem pelos seus erros. Independente de partido, que seja punido”, defendeu.

Previdência – Em seu pronunciamento, Kemp falou ainda sobre o projeto da Reforma da Previdência Social. “Estávamos aguardando conhecer o projeto a fundo. O que preocupa é que a reforma pode ser prejudicial para os trabalhadores. Seria interessante trazer esse assunto para debate. Vamos enviar a bancada federal o nosso parecer, as nossas considerações, debater com a sociedade”, disse. O deputado Gerson Claro também defendeu que o assunto seja discutido. “Esse é um importante debate para esta Casa”.

Pedro Kemp alegou que não há déficit na Previdência. “Com base no pronunciamento do senador Jorge Kajuru [PSB-GO], o déficit é uma fraude contábil. Se nós pegarmos os tributos que formam o caixa da Previdência não teria déficit. O governo aprovou a DRU [Desvinculação de Receitas da União] e agora pega 30% do orçamento da Previdência e pode gastar livremente como quiser”, afirmou.

Evellyn Abelha/ Foto: Victor Chileno

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 1 =