Campo Grande, 24 de setembro de 2021

Moradores de favelas adotam medidas de isolamento contra o coronavírus

Moradores de favelas, de comunidades pobres, estão adotando medidas de isolamento contra o novo coronavírus. Nessas casas de milhões de brasileiros, a necessidade de assistência financeira é urgente.

A vida é difícil na periferia de Duque de Caxias, Baixada Fluminense.

Repórter: “Tem torneira na pia da cozinha na casa da senhora?”
Sabrina Almeida, desempregada: “Não. Torneira meu marido nem botou, porque a gente não usa. Tem que pegar a água aqui, botar no balde, levar para dentro e colocar na pia”.
Repórter: “Qual é a renda na casa da senhora hoje?”
Sabrina: “Nesse momento, a renda está sendo zero”.

Na Baixada Fluminense, bairros pobres concentram uma população muito grande de pessoas desempregadas ou que vivem na informalidade. Muitas delas, mulheres chefes de família que dependem da renda diária para sobreviver.

Renda que desapareceu das mãos da Edineide Santana. Ela sustenta seis filhos. Vende bolos que faz em casa. “Eu dependo do dinheiro do dia a dia para manter eles dentro de casa, porque é única renda que, no momento, estamos tendo. Por causa dessa epidemia, parou”, conta.

Rosinalva da Silva é diarista, sofre com a falta de trabalho e entende a necessidade do isolamento. “Está sendo muito complicado para a gente. Eu não tenho como levar o alimento para a minha casa. Ao mesmo tempo, nós sabemos que é necessário esse afastamento para que essa doença venha a ser parada. Porque não tem como nós ficarmos indo e vindo, trazendo a doença de lá para cá ou levando daqui para lá”, diz.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 3 =