Campo Grande, 29 de junho de 2022

Após dois anos, Fórum Econômico Mundial começa em Davos com desafio de reconstrução da Ucrânia e Rússia banida

Após dois anos de interrupção devido à pandemia da Covid-19, começou neste domingo (22) a 51ª edição presencial do Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, em um momento de incerteza em razão da guerra na Ucrânia e de suas consequências nos âmbitos geopolíticos, financeiro e alimentar.

A última reunião do Fórum de Davos aconteceu em janeiro de 2020, em um contexto muito diferente, quando foram comemorados os 50 anos do encontro. Na época, a pandemia ainda não havia sido declarada e a Europa não estava em guerra.

Por essa razão, segundo os organizadores, a edição deste ano, que segue até quinta-feira (26), será a mais oportuna desde a sua criação, devido aos problemas sem precedentes que o mundo enfrenta. A Rússia foi banida do evento após invadir a Ucrânia. Desta forma, pela primeira vez desde o fim da era soviética, não participará do encontro.

Os ucranianos terão a chance de debater a reconstrução do país, calculada, apenas com o custo de infraestruturas destruídas, em mais de US$ 4 bilhões (cerca de R$ 19 bilhões). Autoridades da União Europeia estimam o custo total em trilhões de euros.

Ao longo de cinco décadas, o Fórum de Davos se firmou como a plataforma internacional mais importante, com participação de líderes políticos e econômicos, diretores das companhias mais poderosas do mundo e cada vez mais representantes da sociedade civil, convidados para falar pelos cidadãos comuns.

A 51ª edição contará com 2,5 mil participantes, entre eles cerca de 50 chefes de Estado e de governo. O Brasil estará representado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Pandemia e mundaças climaticas em debate

 

Imagem aérea do Ártico, uma das regiões mais afetadas pelas mudanças climáticas, tema que estará nas principais mesas do Fórum Econômico Mundial de 2022. — Foto: Getty Images via BBC

Imagem aérea do Ártico, uma das regiões mais afetadas pelas mudanças climáticas, tema que estará nas principais mesas do Fórum Econômico Mundial de 2022. — Foto: Getty Images via BBC

Embora a guerra na Ucrânia e suas consequências mundiais sejam o principal assunto a ser discutido, outros temas estarão em pauta, como a crise ambiental e os desdobramentos da pandemia da Covid-19.

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp