Campo Grande, 24 de fevereiro de 2024

Lançado edital para estudos de viabilidade da nova ponte entre MS e Paraná

Foi lançado o primeiro edital do projeto para a construção de uma nova ponte entre os estados de Mato Grosso do Sul e do Paraná, ligando sobre o Rio Paraná os municípios de Taquarussu (lado sul-mato-grossense) e São Pedro do Paraná (lado paranaense). A licitação aberta é referente a elaboração dos estudos de viabilidade.

O EVTEA (Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental) é um documento que baliza todas as demais ações para a construção da ponte, que deve ter 2 km de extensão, criando mais um corredor logístico entre os estados. O lançamento do edital para contratar o estudo de viabilidade foi feito pelo governo paranaense.

“É um projeto custeado por Itaipu, fruto da relação entre os governos de Mato Grosso do Sul e do Paraná. Essa rota é mais um acesso entre os dois estados, fundamental para o desenvolvimento da região sudeste de Mato Grosso do Sul, no Vale do Ivinhema”, destaca o governador Eduardo Riedel ao comentar a nova ponte.

O governador destaca que além do município de Taquarussu, vizinhos como é o caso de Batayporã devem se beneficiar com a nova rota levando ao Paraná com mais facilidade. “É uma rota que estimula o desenvolvimento dos municípios mais próximos”.

A licitação para contratar o estudo de viabilidade será realizada na próxima terça-feira (31), em pregão eletrônico – sistema onde os lances são feitos e vence quem der o menor lance. O preço máximo estipulado é de R$ 2,9 milhões.

De acordo com o titular da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), Jaime Verruck, a ligação é de vital importância para Mato Grosso do Sul, pois criará um novo corredor de transporte para o escoamento da produção agrícola entre os dois estados, encurtando o caminho até o porto de Paranaguá. Atualmente, esse transporte é realizado via Maringá.

“Esta obra, angariada por nós no ano passado, é de extrema importância para Mato Grosso do Sul, já que ajuda a desafogar o tráfego de caminhões, principalmente de grãos, e também vai promover o maior desenvolvimento econômico da região”, frisa Verruck.

A nova ligação promete encurtar e diminuir custos do escoamento agrícola até o porto de Paranaguá. Atualmente, o trajeto precisa ser contornado por São Paulo, na barragem em Primavera, que conta com tráfego lento e restrição de peso para caminhões.

O prazo para conclusão do EVTEA será de 18 meses. Nesse estudo será apontado vantagens, desvantagens, impulso no desenvolvimento socioeconômico da região, possíveis impactos ambientais, além das técnicas de engenharia a serem aplicadas.

“É um estudo complexo, que visa encontrar o melhor traçado, da maneira mais sustentável e com menor impacto ambiental. A ponte será um importante ponto de interligação entre as regiões Sul e Centro-Oeste do país. É uma obra que irá trazer desenvolvimento para todos, fomentando investimentos, turismo, entre outros”, afirmou o secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, Fernando Furiatti.

A proposta para o trajeto também prevê no lado paranaense a restauração de 19,8 km da PR-577, incluindo a construção de um contorno em Porto São José, distrito do município de São Pedro do Paraná. Já no perímetro sul-mato-grossense, devem ser implantados 30 km da rodovia MS-473, além de um viaduto de acesso em Taquarussu.

Rosana Siqueira, Comunicação Semadesc
Nyelder Rodrigues, Comunicação Governo de MS
Fotos: Roberto Dziura Jr/AEN-PR

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp