Campo Grande, 22 de abril de 2024

Saúde antecipa vacinação contra a Influenza em Mato Grosso do Sul

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) está antecipando a vacinação contra a Influenza em Mato Grosso do Sul. Os 79 municípios estão autorizados a iniciar a vacinação contra a Influenza a partir desta terça-feira (28). O Ministério da Saúde enviou a primeira remessa com 92 mil doses do imunizante para Mato Grosso do Sul. Oficialmente, a 25ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza tem início em 10 de abril.

Segundo a coordenadora estadual de Vigilância Epidemiológica da SES, Ana Paula Rezende de Oliveira Goldfinger, para este ano o Ministério da Saúde abriu a vacinação para todos os públicos. “A decisão de fazer a entrega destes imunizantes é em razão da chegada do outono e também devido ao aumento de casos de SRAG – doenças respiratórias. Por isso, resolvemos antecipar a vacinação em nosso Estado”.

Ana Paula ainda ressalta que a SES já iniciou a entrega de imunizantes. “Nós já estamos realizando a entrega desta primeira remessa de 92 mil doses. Até o momento, 38 municípios já fizeram a retirada do imunizante e já estão aptos a iniciar nesta terça-feira (28). Aqueles que ainda não fizeram a retirada da vacina, podem procurar a Ceve (Coordenadoria Estadual de Vigilância Epidemiológica) para fazer a retirada do imunizante até a próxima sexta-feira (31)”.

Quem pode ser vacinar?

Idosos com 60 anos e mais; Trabalhadores da saúde; Crianças (6 meses a menores de seis anos; Gestantes; Puérperas; Povos Indígenas; Professores; Comorbidades; Pessoas com deficiência permanente; Caminhoneiros; Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbanos e de longo curso; Trabalhadores portuário; Forças de segurança e salvamento; Forças Amadas; Funcionários do sistema de privação de liberdade; População privada de liberdade com mais de 18 anos de idade; Adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

Sobre a Influenza

O período de incubação dos vírus influenza é geralmente de dois dias, oscilando entre um e quatro dias. Sinais e sintomas da doença são muito variáveis, podendo ocorrer desde a infecção assintomática até formas graves. Os quadros graves ocorrem com maior frequência em indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção, lactentes no primeiro ano de vida e crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade, gestantes, idosos com 60 anos ou mais e pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais.

A transmissão ocorre principalmente de pessoa para pessoa, por meio de gotículas respiratórias produzidas por tosse, espirros ou fala da pessoa infectada para uma pessoa suscetível. A síndrome gripal (SG) se caracteriza pelo aparecimento súbito de febre, cefaleia, dores musculares (mialgia), tosse, dor de garganta e fadiga. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias. Os sintomas respiratórios como a tosse e outros tornam-se mais evidentes com a progressão da doença e mantêm-se em geral de três por cinco dias após o desaparecimento da febre. Nos casos mais graves, geralmente, existe dificuldade respiratória e há necessidade de hospitalização. Em situações onde ocorre agravamento dos casos, estes podem evoluir para a síndrome respiratória aguda grave (Srag) ou mesmo óbito.

A influenza é uma infecção viral aguda, que afeta o sistema respiratório e é de alta transmissibilidade. A estratégia de vacinação contra a influenza foi incorporada no Programa Nacional de Imunizações (PNI) em 1999, com o propósito de reduzir internações, complicações e óbitos na população-alvo. A vacinação contra a influenza permite, ao longo do respectivo ano, minimizar a carga e prevenir o surgimento de complicações decorrentes da doença, reduzindo os sintomas nos grupos prioritários além de reduzir sobrecarga sobre os serviços de saúde. Os sintomas podem ser confundidos com os da covid-19.

Rodson Lima, SES

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp