Campo Grande, 22 de abril de 2024

Em audiência na Câmara, blocos e escolas pedem melhorias na estrutura para o Carnaval

Representantes das escolas de samba, cordões e blocos carnavalescos pediram, durante audiência nesta sexta-feira (31), melhorias na estrutura para o Carnaval de 2024. O debate foi proposto pelo vereador Valdir Gomes e convocado pela Comissão Permanente de Cultura da Casa de Leis, composta pelos vereadores Ronilço Guerreiro (presidente), Junior Coringa (vice-presidente), Beto Avelar, Professor Juari e Gilmar da Cruz.

“Propusemos essa audiência para conversar com as pessoas que fazem o Carnaval. A luta não é do vereador Valdir, mas das escolas de samba e da cultura. Não é momento de oposição. Os que estão aqui têm que fazer parte de uma comissão para poder voltarmos a realizar um excelente Carnaval em Campo Grande”, disse Valdir Gomes.

Os desfiles de Carnaval ocorrem na chamada Praça do Papa, que fica nas proximidades de um cemitério e não tem estrutura e iluminação adequadas. Já os blocos concentram-se na região da Esplanada Ferroviária e tem atraído bastante público. O vereador salientou a necessidade de retomar os concursos de fantasia e garantir que a estrutura melhor resulte em mais segurança para todos.

“Aqui, o Carnaval só não foi adiante, pois a Liga é sozinha. O Governo entrega, e a Liga que se vire. É um descaso com as escolas e com a Liga, com os cordões, que estão jogados. Não é uma audiência para criticar, mas tentar montar uma estrutura para o ano que vem. Fizemos essa audiência para saber a vontade de vocês”, completou o parlamentar.

Para o ex-presidente da Lienca (Liga das Entidades Carnavalescas de Campo Grande), Alan Coelho Catharinelli de Oliveira, a estrutura do Carnaval precisa ser melhorada. “Estamos naquele local desde 2011. Para nós, a Praça do Papa é um local adequado, mas precisa melhorar a estrutura. Estamos com a mesma estrutura desde 2011. Sugiro que a Liga e as escolas de samba relatem o que precisa ser feito, o que precisa ser melhorado, naquele espaço”, disse.

Ex-vice-presidente da Liga, Eduardo Souza Neto tem a mesma opinião. “Público nós temos, e nosso sacrifício é em respeito a esse público. A essa estrutura, precisamos ter qualidade. Essa audiência é oportuna. O nosso objetivo é sempre o aprimoramento. Tenho certeza que bons frutos serão colhidos”, acrescentou.

Poder público garante apoio – Presente no debate, o superintendente de Cultura da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Campo Grande, Roberto Figueiredo, afirmou o município tem feito sua parte na realização das festividades.

“Temos muito a crescer, principalmente na estrutura que temos, se formos continuar na Praça do Papa. Mas, tudo que foi solicitado, que deu tempo, e dentro da legalidade, foi atendido. Precisamos, sim, de muito mais. Colocar muito mais estrutura e queremos ouvi-los para que isso possa acontecer”, garantiu.

Representando a Fundação de Cultura do Estado, a presidente do Bloco Cordão, Silvana Valu, destacou a necessidade de se organizar o Carnaval com mais antecedência. “Precisamos organizar o Carnaval com mais antecedência. Esse ano, foi tudo realizado a toque de caixa e não houve tempo hábil para discutir o que era necessário. Mesmo assim, tentamos fazer, dentro do possível, o que deu para fazer. Estamos abertos a essa nova discussão”, disse.

Em sua fala, o deputado federal Beto Pereira parabenizou a iniciativa da Casa de Leis e destacou a necessidade de um planejamento não apenas para o próximo ano, mas para os carnavais seguintes.

“Precisamos de planejamento. Preciso hoje, muito mais do que falar, ouvir as pessoas, as reivindicações e buscar soluções. Parabenizo a iniciativa da Câmara, que convocou essa audiência com bastante antecedência. Precisamos criar uma comissão para dialogar com as autoridades competentes para que tenhamos planos de curto, médio e longo prazo para o Carnaval, tanto de escolas de samba, como de blocos”, afirmou.

Mais segurança – Em sua fala, o coronel Emerson Almeida Vicente, comandante do Policiamento Metropolitano de Campo Grande, garantiu que a Polícia Militar vai atuar para garantir a ordem e a segurança dos participantes da festa. “A PM não pode se eximir da responsabilidade de manter a ordem e a prevenção durante os festejos, dando condições mínimas para que as pessoas de bem possam estar nos eventos. A propositura da Polícia Militar é o planejamento com antecedência. Se planejar em cima da hora, talvez não tenhamos sucesso”, alertou.

Por outro lado, o Bispo Evaldo, representante das igrejas do entorno da Esplanada Ferroviária, alertou para a segurança dos foliões. Segundo ele, o espaço não comporta a quantidade de participantes. “Como colocar um Jaú dentro de uma lata de sardinha? Se não tivermos bom senso e formos firmes em relação ao local, em algum momento teremos uma tragédia em relação ao volume de pessoas em um local inadequado. Precisamos levar a sério algumas decisões”, disse.

Vereadores garantem apoio – Os parlamentares que participaram do debate garantiram total apoio às demandas dos representantes das escolas e blocos. Segundo o vereador Clodoilson Pires, há uma preocupação em relação ao local dos desfiles. “Temos que pensar em um local que se possa fazer um Carnaval e que agrade a todos”, afirmou.

Para o vereador Prof. André Luís, o Carnaval é uma indústria e reflete o trabalho de um ano inteiro. “Precisamos entender a cultura como um trabalho, e não como diversão. Traz problema? Traz, mas precisamos mitigar e controlar, ou nosso Carnaval não vai crescer. Estamos em uma Capital e poderíamos ter o maior Carnaval do Centro-Oeste. Isso agrega, é turismo. Enquanto a cidade está parada para descansar, ela está gerando riqueza. A cultura tem que ser tratada como se trata indústria e comércio”, sustentou.

Opinião parecida tem o vereador Ronilço Guerreiro, que secretariou a audiência. “Queremos que o Carnaval seja renda, seja indústria. Isso que fazemos aqui é fundamental para entendermos que o Carnaval gera riqueza. E saúde mental trabalha o que temos de melhor, que é a alegria. O Carnaval precisa ser valorizado, é a maior festa brasileira e é empreendedorismo”, disse.

Já o vereador Beto Avelar afirmou que a população é a principal interessada. “O interesse primordial do Carnaval é a população. Não vamos chegar em um denominador comum se não fizermos essa reunião e continuarmos esse debate. É muito importante e temos que aprofundar mais. Essa Comissão é importante. Não vamos conseguir agradar a todos, mas temos que colocar que a população é o principal interessado aqui”, afirmou.

Para o vereador Coronel Villasanti, é preciso pensar o Carnaval de Campo Grande para os próximos anos, com estudos de impacto ambiental e viário na cidade. “A família precisa participar desse evento. Temos que definir um espaço, isso é uma condição fundamental, com a construção de um sambódromo, além de realizar campanhas educativas e esclarecedoras”, anumerou.

Por fim, a vereadora Luiza Ribeiro destacou a importância do Carnaval na cultura de Campo Grande. “O Carnaval é um mobilizador das nossas energias. Isso é da nossa cultura, e o Carnaval nos move. Este ano, batemos recordes de presença. Temos que festejar e agradecer quem vai para a rua, quem organiza. É uma festa importante da nossa cidade. Tem ajustes para fazer, mas muitas das reivindicações têm sido atendidas também”, concluiu.

Jeozadaque Garcia
Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp