Campo Grande, 26 de maio de 2024

Biden abraça Modi enquanto os EUA intensificam sua luta contra Rússia e China

A Índia optou por um forte abraço com os EUA durante a primeira visita oficial do primeiro-ministro Narendra Modi ao país, onde os ganhos econômicos potenciais pareciam superar seus laços de longa data com o aliado tradicional, Rússia.

Durante um discurso conjunto para a imprensa na Casa Branca após sua reunião individual com o presidente dos EUA, Joe Biden, na quinta-feira, Modi surpreendeu.

Sem ser instigado, ele fez referência à operação militar contínua da Rússia, que entrou em seu segundo ano em 24 de fevereiro.

Modi ofereceu ajuda da Índia para resolver o conflito e restaurar a paz, sem mencionar explicitamente a Rússia como a agressora. O comentário foi música para os ouvidos do presidente Biden, cuja expressão geralmente impassível não conseguiu conter sua alegria incontrolável.

Modi aproveitou os elogios generosos da administração Biden, à medida que as expectativas em relação aos laços indo-americanos de “atingir a velocidade de fuga” enchiam o ar, e o primeiro-ministro indiano intensificava a hipérbole ao adicionar que o “céu não é o limite” no engajamento bilateral.

E a Rússia não ocupou o topo da agenda até que Modi, como se estivesse seguindo o ritmo de Biden, falou sobre o conflito com a Ucrânia.

Ficou abundantemente claro que os EUA estenderam o tapete vermelho para Modi na tentativa de isolar Nova Délhi de Moscou, com incentivos abundantes e novas parcerias inovadoras nos setores de defesa, fabricação de semicondutores, espaço e inteligência artificial. A flexibilização do rígido regime de visto H1B, assim como a abertura de consulados dos EUA em Ahmedabad e Bengaluru e um consulado indiano em Seattle, também estão em pauta.

Em um jogo de troca, apaziguar a Índia servia aos interesses dos EUA. Washington busca fortalecer seus laços cruciais – embora complicados – com o país, onde as linhas de batalha entre as potências ocidentais e os blocos liderados por Rússia e China estão claramente demarcadas. Biden, que, assim como Modi, busca a reeleição no próximo ano, está disposto a arriscar com o governo de direita e nacionalista hindu do Bharatiya Janata Party (BJP) da Índia.

O “histórico de direitos humanos” do governo Modi tem sido alvo de críticas dos colegas democratas de Biden. No entanto, ele está disposto a apostar em um esforço para cimentar os laços indo-americanos, que parecem ter voltado ao ponto de “distanciamento para um engajamento mais profundo”.

Biden disse acreditar que os laços bilaterais “serão uma das relações definidoras do século XXI. Desde que me tornei presidente, continuamos a construir uma relação baseada na confiança mútua, franqueza e respeito”.

O governo Modi, desde que assumiu o poder em 2014, tem sido consistentemente criticado por diversos funcionários e mídia dos EUA por seu histórico em relação à liberdade política, religiosa e de imprensa. Apesar disso, a democracia mais populosa do mundo agora parece ter se tornado o destino mais quente para empresas dos EUA, seguindo o rápido pioramento das relações com a China por parte de Washington.

Ambas as nações estão enfrentando um inimigo comum em uma China ascendente, especialmente no Indo-Pacífico, juntamente com outras questões globais urgentes, como mudanças climáticas, IA, resiliência da cadeia de suprimentos e outras questões.

Biden evitou dar uma palestra ao primeiro-ministro indiano sobre supostas violações dos direitos humanos – conforme anunciado anteriormente pelo Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan -, mas lembrou a Modi que a parceria deve ser “baseada na democracia, direitos humanos, liberdade e estado de direito”. Modi, por sua vez, quebrou uma tradição na quinta-feira, que ele manteve desde que assumiu o cargo em 2014, concordando em participar de uma coletiva de imprensa formal junto com o presidente Biden.

Foi uma ocasião histórica, já que se sabe que o primeiro-ministro indiano detesta momentos improvisados, pois deu apenas algumas entrevistas desde que assumiu o poder. Normalmente, visitas de Estado incluem uma coletiva de imprensa na qual os líderes respondem a perguntas de dois membros da imprensa dos EUA e dois da imprensa visitante.

Modi seguiu o protocolo e concordou em responder perguntas de dois repórteres – um dos EUA e um da Índia. Biden, que pegou os funcionários da Casa Branca desprevenidos no início desta semana ao chamar o presidente chinês Xi Jinping de “ditador”, desviou uma pergunta direta de um repórter americano com uma certa inquietação e murmurou que esperava se encontrar com o líder chinês “no futuro”. Embora tenha citado Modi como um símbolo da vibrante democracia da Índia, ele deu uma resposta evasiva a uma pergunta sobre supostas transgressões dos direitos humanos na Índia.

Modi também foi pressionado sobre a perseguição ao maior grupo minoritário da Índia, os muçulmanos, que representam mais de 15% de sua população de 1,4 bilhão de habitantes. Ele denunciou descaradamente a pergunta e fez um sermão sobre as “elevadas credenciais democráticas” do país, que compartilha com os EUA.

Ele disse que as duas nações têm um “respeito avassalador” uma pela outra porque “somos democracias e expandir as instituições democráticas está no DNA dos EUA e da Índia”, acrescentando que “independentemente de casta, credo, religião, gênero, não há absolutamente espaço para discriminação”.

Ele afirmou que “não há democracia na ausência de direitos humanos, pois a democracia corre em nossas veias”. Ao responder a uma pergunta sobre liberdade de expressão, o líder indiano disse: “Estou surpreso com o que você disse. As pessoas não dizem isso. Somos uma democracia. A democracia está em nosso DNA. Vivemos em democracia. E está em nossa constituição”.

Ele citou o lema de seu governo – desenvolvimento para todos, já que todos os cidadãos indianos têm acesso a comodidades – em contraste com a percepção popular no mundo ocidental.

Exceto pela coletiva de imprensa irregular, Modi provavelmente se alegrará com a generosidade de Washington. Foi um dia de mega acordos e concessões raras dos Estados Unidos. A multinacional norte-americana General Electric anunciou que se associará à Hindustan Aeronautics Ltd., com sede na Índia, para produzir motores a jato para aeronaves indianas como parte do programa “Made in India” de Modi, uma oferta significativa de transferência de tecnologia para um aliado não norte-americano.

O governo Biden também concordou em vender seus drones armados MQ-9B SeaGuardian para a Índia. A Micron Technology construirá uma fábrica de montagem e teste de semicondutores no valor de US$ 2,75 bilhões no estado natal de Modi, Gujarat, sendo que a empresa norte-americana sediada em Des Moines, Iowa, investirá US$ 800 milhões, e a Índia financiará o restante. A empresa norte-americana Applied lançará um novo centro de semicondutores para comercialização e inovação na Índia, e a Lam Research, outra empresa de equipamentos de fabricação de semicondutores, iniciará um programa de treinamento para 60.000 engenheiros indianos.

A Índia assinou um acordo com o Artemis Accords, um projeto para cooperação na exploração espacial entre as nações participantes dos planos de exploração lunar da NASA. E a NASA e a Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO) concordaram em realizar uma missão conjunta à Estação Espacial Internacional no próximo ano.

O fortalecimento da cooperação econômica pioneira promete abrir um novo futuro em todas as áreas da vida, desde o controle de doenças até a aceleração da transição para energias limpas e tecnologia climática, de acordo com o presidente Biden. O comércio bilateral entre os dois países alcançou US$ 190 bilhões, e os EUA continuam sendo o maior parceiro comercial da Índia de longe.

O presidente dos EUA destacou as contribuições da Índia para um Indo-Pacífico seguro e estável como membro valorizado do grupo Quad, onde Austrália e Japão completam o quarteto. A China, assim como a Rússia, continua sendo o elefante na sala, onde a nova camaradagem entre Washington e Nova Délhi depende de os EUA terem sucesso em um novo mercado como a Índia para manter Pequim, seu rival, à distância.

Modi lembrou à imprensa dos compromissos da Índia com o clima, incluindo hidrogênio verde, energia solar, remoção de dióxido de carbono e outras iniciativas sustentáveis de emissão zero dentro de um prazo determinado. Ele também se orgulhou da mudança dinâmica nas relações bilaterais, passando de comprador e vendedor para uma posição de igualdade, onde a iniciativa em Tecnologia Crítica e Emergente (iCET) promete ser um fator decisivo.

Modi agradeceu profundamente ao presidente Biden por apoiar seu apelo para incluir a União Africana – um grupo de 55 países do continente que representa países do Sul Global – no G20, do qual a Índia é a presidente rotativa este ano.

Na manhã de quinta-feira, milhares de pessoas se reuniram no jardim sul da Casa Branca para a cerimônia de boas-vindas ao primeiro-ministro indiano, incluindo vários membros da diáspora indiana nos Estados Unidos, que entoaram em coro “Modi, Modi, Modi”.

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp