Campo Grande, 18 de junho de 2024

Evento da Sead amplia debate sobre tráfico de pessoas e direitos humanos

O encontro “Dialogando sobre o Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas no Contexto de Direitos Humanos” reuniu o movimento acadêmico, Ministério Público, Defensoria Pública e representantes das forças de segurança do Estado, em um total de mais de uma centena de pessoas, em um amplo debate sobre direitos humanos. A live completa do evento pode ser revista na página da Sead (Secretaria de Estado de Assistência Social e dos Direitos Humanos) no Facebook.

Para o secretário-executivo de Direitos Humanos da Sead, Ben-Hur Ferreira, representando a titular da pasta, Patrícia Cozzolino, o debate deve ser permanente, pois a sociedade precisa pensar como prevenir o tráfico de pessoas e como enfrentar essa situação.

Ben-Hur também destacou a participação da segurança pública na temática envolvendo os direitos humanos. “Esse é um momento muito importante de diálogo, principalmente com as forças de segurança pública. Durante muito tempo estivemos apartados, e muitos cultivaram a ideia de que os direitos humanos atrapalhavam a segurança pública, só se preocupando com uma parte e deixando de lado o policial, a família do policial. Felizmente os lados envolvidos nessa história cada vez dialogam mais”, pontuou.

O secretário também revelou parceria com a Polícia Civil na capacitação com policiais sobre o racismo, em módulo de 40 horas, com a possibilidade de extensão para outras corporações.

A adesão à Campanha Coração Azul é alusiva ao “Dia Mundial e Nacional de Enfrentamento do Tráfico de Pessoas”. A iniciativa consiste em conscientizar e encorajar os servidores e sociedade civil sobre a luta contra o tráfico de pessoas.

Para a promotora do Ministério Público Ludmila de Paula Castro Silva, uma das palestrantes do evento, esse é um tema que por muito tempo ficou invisível. “Passando de uma fronteira para outra, de Corumbá para Ponta Porã, me chamou atenção esse fenômeno do tráfico de pessoas. Nessas movimentações migratórias, a gente convive também com a passagem de drogas e também junto, as pessoas, e aí a criminalidade achou um caminho”, destacou em um trecho de sua fala.

Evento híbrido também reuniu um bom número de participantes na forma presencial
Evento híbrido também reuniu um bom número de participantes na forma presencial

O evento trouxe ainda como palestrantes, Carlos Delano de Souza, Thaísa Raquel Medeiros Albuquerque e a professora doutora Marinete Rodrigues, abordando as questões relevantes sobre o assunto.

Na mesa de abertura do evento, realizado no auditório do Imasul, na Capital, Estela Scandola, coordenadora da pesquisa nacional sobre o tráfico de mulheres, crianças e adolescentes, e Niura Montalvão, da coordenação da Pastoral do Migrante de Campo Grande.

A abertura do evento foi realizada pela Orquestra Kikio, que é um dos vários projetos desenvolvidos pela organização Obras Sociais Francisco Thiesen.

Leomar Alves Rosa, Sead

Fotos: Monique Alves

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp