Campo Grande, 22 de junho de 2024

Foco de novos projetos de desenvolvimento em MS, distribuição de gás passa por fiscalização da Agems

Em plena expansão da política de incentivo ao uso do gás natural no estado, a Agems (Agência Estadual de Regulação) realiza mais uma fiscalização anual do sistema de distribuição pertencente à MSGÁS. O objetivo é avaliar a qualidade do serviço prestado, as condições operacionais, de manutenção e de segurança.

Depois de inspecionar, em julho, o sistema de Corumbá, a Câmara Técnica de Gás Canalizado iniciou nesta semana os trabalhos em Campo Grande.

“A equipe está em campo para verificar todas as condições de operação e manutenção das instalações, desde o City Gate, que é a estação de transferência de custódia do gás natural da transportadora para a distribuidora”, detalha o diretor Valter Almeida da Silva.

“O sistema de odorização, que adiciona ‘cheiro’ ao gás para a percepção de possíveis vazamentos; a sinalização dos avisos de segurança; a situação da manutenção dos trajetos das redes de gás, tudo isso também passa pela nossa fiscalização”.

Combustível para o desenvolvimento

 A coleta de dados e informações inclui verificação nas instalações e também visita a clientes dos segmentos industrial, comercial, residencial, veicular e de co-geração (que utiliza o gás como insumo para gerar energia elétrica).

“Se o trabalho da Agência já era essencial para a confiabilidade da distribuição do gás, agora mais ainda, quando o Estado aposta em energia mais limpa e atrai o investidor privado”, destaca o diretor-presidente da Agems, Carlos Alberto de Assis. “O gás natural vai chegar cada vez mais longe, atender cada vez mais clientes, e precisamos fazer com que isso aconteça com qualidade”.

Segurança jurídica e confiabilidade

 Enquanto cumpre as fiscalizações anuais programadas, a Agência avança na criação de novos regulamentos para inovar e diversificar a distribuição.

Até o dia 29 de agosto estão abertas duas consultas públicas sobre normas do gás canalizado:

A primeira, sobre critérios para autorização de Projetos Estruturantes de prestação dos serviços de distribuição por redes locais. O modelo irá contribuir para o desenvolvimento do mercado local e permitir que novos empreendimentos se instalem em regiões ainda distantes do gasoduto principal.

A outra consulta trata das condições de distribuição de biometano por meio do sistema de gás canalizado no Estado, que hoje distribui o gás natural. O biometano é um biocombustível gasoso constituído essencialmente de metano, resultante da purificação do biogás, um gás bruto obtido da decomposição biológica de resíduos orgânicos.

Clique aqui para conhecer as Portarias elaborada pela Agems e enviar contribuição na Consulta Pública.

Gizele Oliveira, Agems
Foto: Divulgação/Agems

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp