Campo Grande, 12 de abril de 2024

Com vaga garantida em Paris, Rufino conta trajetória na paracanoagem e a expectativa para Jogos de 2024

Fernando Rufino saiu dos campos de Itaquiraí, interior de Mato Grosso do Sul, para conquistar o mundo através de suas remadas, tanto no caiaque quanto na canoa. A cultura sertaneja vem de gerações na família, passada do avô para o pai, e do pai para ele. Rufino faz questão de conservar suas raízes, de se considerar “um peão de boiadeiro”, a ponto de ainda morar na roça.

Hoje, o atleta coleciona títulos e medalhas em campeonatos relevantes, como o ouro inédito nos Jogos Paralímpicos de Verão de 2020, em Tóquio, na prova de VL2 percurso de 200m e o bicampeonato Mundial de paracanoagem conquistado recentemente, o qual garantiu sua vaga em Paris 2024.

Desde 2013, conta com o apoio do Bolsa Atleta, oferecido pelo Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, e assim o ‘Cowboy de Aço’ consegue os suportes necessários para se manter no esporte. “Hoje, para uma carreira de treinamento, alto rendimento, você precisa de muitos bons recursos e o Bolsa Atleta ele está neste momento me dando o suporte. O Estado acertou em cheio nesta preparação de 2021 e agora para 2024, tanto que já consegui classificar na primeira tacada e eu agradeço muito o apoio que a gente tem”.

Rufino relata como o recurso também já o ajudou a comprar materiais para sua modalidade e como auxilia no dia a dia do atleta.

“Os equipamentos que eu digo são, por exemplo, morar em um lugar bom de treinamento, ter uma alimentação adequada pra mim também. Eu já comprei remo com dinheiro do Bolsa Atleta, já me deu estabilidade financeira, já precisei pagar uma viagem para o campeonato. Não é só a compra de equipamento, a gente não vive só de um remo e um caiaque, a gente vive da logística do dia a dia, ter um treinamento numa academia, talvez quando você não está num centro de treinamento, você precisa pagar um profissional de fisioterapia, que a gente precisa muito, e consultar um nutricionista”.

Antes de ser canoísta, Rufino tinha o sonho de conhecer o mundo e para isso investiu no rodeio, tornou-se peão de boiadeiro. Para realizar seu desejo, mesmo após sofrer o acidente que o deixou paraplégico, iniciou sua trajetória na canoagem aos 27 anos, em 2012, no Parque das Nações Indígenas, junto ao seu antigo treinador Admir Arantes.

“Eu só mudei de montar em touro para montar no caiaque. Por isso meu caiaque tem o nome de Burro Branco e a canoa que eu tenho é Vaca Brava”.

Rumo a Paris 2024

Rufino se dedica na preparação para sua terceira participação nos Jogos Paralímpicos, que serão realizados na França, ano que vem.

“Já começou, tudo que eu faço hoje de exercício é pensando nesse evento. Hoje até final do ano, o foco é no meu condicionamento físico, na minha base de treinamento. Já tive o descanso necessário de um mês, viajando, curtindo a família, os amigos, mas agora começa uma trajetória rumo a Paris. Meu principal campeonato é os Jogos de Paris. Eu tenho mais uma classificatória importantíssima para fazer, em uma outra categoria que é o caiaque, na Copa do Mundo na cidade de Szeged, na Hungria”.

Em relação ao nível de competitividade, Fernando diz que está mais complexo do que no ciclo passado. “Esse ano, eu senti muito o nível dos atletas. E creio que para as Olimpíadas pode dificultar um pouco mais. Eu tenho dez adversários difíceis. Entre o primeiro e o último, a diferença é de um segundo e meio. Então, eu tenho dez países que estão liderando, sabe? O Brasil é um deles, mas tem países que têm um investimento muito forte e estão há muitos anos na canoagem”.

Mesmo com o tempo mais curto entre um ciclo e outro das Paralimpíadas, o Cowboy de Aço não sente tanta diferença para sua preparação.

“Eu nunca parei de treinar. Em 2020 não teve as Olimpíadas por causa da pandemia, mas treinei o ano inteiro certinho como se tivesse. Pra gente que é atleta de rendimento, que vive do esporte mesmo, nós treinamos o ano todo, de férias, feriados, dias de folga.”

Trajetória nas remadas

Em 2012, Fernando Rufino partiu para Campo Grande em busca de um esporte que pudesse proporcionar a realização de seu grande sonho: viajar pelo mundo. Sonho esse que ele alimentava desde a época do rodeio.

Devido ao acidente que o deixou paraplégico, teve que abandonar o rodeio, mas não desistiu do sonho de conhecer o mundo. Admir Arantes, beneficiário do Bolsa Treinador do Governo do Estado, foi seu primeiro técnico na paracanoagem.

“Ele conseguiu informações que em Campo Grande trabalhava com o esporte adaptado para deficiente físico. Nessa busca ele descobriu o Caira (Centro Arco Iris de Reabilitação Alternativa), dirigido pela professora Yara Yule que na época já tinha seu trabalho divulgado na internet”, conta Admir.

No Caira, fez os testes aos esportes adaptados que o centro trabalhava, porém nada o agradou, segundo o treinador.

“A professora Yara já tinha conhecimento do meu trabalho com a paracanoagem, me ligou falando do caso do rapaz que gostaria de conhecer a canoagem. Nos primeiros movimentos, ele achou meio estranho e já pensou em parar. Conversando com ele, disse que era normal, que qualquer pessoa entra e cai. Depois, mudei de embarcação, coloquei em uma mais estável, logo em seguida ele já pegou o jeito”.

Sua primeira grande competição com Admir foi o Brasileiro em Primavera do Leste (MT). “Lá, ele ficou bem afoito e acabou caindo nas primeiras provas que fez, mas depois pegou o jeito. O pessoal da confederação viu que ele tinha potencial e o apresentei”, relata Arantes.

O treinador complementa lembrando que, na época, Rufino foi para São Paulo fazer os treinos, pois para trabalhar a prova de 200 metros requer no treinamento que faça uma distância maior, para dar condicionamento físico e trabalhar a parte aeróbica.

Nesta caminhada com mais de 10 anos de carreira, o Cowboy de Aço já conquistou ouro nos Jogos de Tóquio; dois campeonatos Mundiais na paracanoagem; prata na canoa e bronze no caiaque no Mundial na Hungria 2018; prata na canoa na Etapa da Copa do Mundo na Polônia 2019; prata no caiaque e na canoa no Mundial em Manteomor-o-Velho 2018 (Portugal); prata no caiaque na Etapa da Copa do Mundo na Hungria 2018; prata no caiaque e na canoa no Mundial em Racice 2017 (República Tcheca); ouro no Campeonato Sul-Americano de Canoagem, em Paipa 2017 (Colômbia); e bronze na canoa nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

João Pedro Flores, Programa de Estágio Supervisionado
Fotos: Álvaro Rezende

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp