Campo Grande, 23 de setembro de 2021

Estudante brasileiro de Medicina na Bolívia faz uma aventura para chegar ao Brasil

Um país em ebulição, com bloqueios nas estradas e protestos por todos os cantos. Agora imagine ser um estrangeiro, precisando voltar ao seu país de origem e enfrentar mais de 600 quilômetros para chegar à fronteira. Isso foi o que viveu Danilo Roberto Assis Arguelho, de 31 anos, estudante de medicina em Santa Cruz de La Sierra, cidade mais industrializada da Bolívia.

Danilo cursa o segundo semestre de medicina e teria uma prova para tentar a transferência em uma universidade, no Brasil, no último dia 17. Por isso, mesmo com a Bolívia vivendo uma enorme crise política, após o anúncio da reeleição de Evo Morales e a fronteira do país com o Brasil, via Mato Grosso do Sul, fechada, ele e mais três amigas decidiram tentar seguir viagem.

O dia era 10 de novembro, um domingo. A ideia dos amigos era ir para a rodoviária de Santa Cruz de La Sierra, onde pegariam um ônibus até a fronteira e, dali, seguiriam caminhos distintos. Danilo, Mireylle Gabriela Domingos Rodrígues Maurício, de 23 anos, Juliana Katiely Santos Souza, de 25 anos e Nilda Carolina Rolon Gamarra, de 27 anos, saíram de casa cedo, às três horas da manhã.

Os bloqueios na cidade, no entanto, começaram a atrapalhar a viagem. Os manifestantes, que pediam novas eleições no país, tomaram o município de Santa Cruz de La Sierra, base da oposição a Evo Morales. “De Santa Cruz até Pailon, cidade vizinha, tivemos que pegar seis veículos diferentes. Depois, a cada mais ou menos 25 quilômetros tinha mais algum bloqueio, em que só era possível passar a pé. Por isso, tínhamos que trocar de veículo do outro lado”, explica Danilo.

De acordo com o estudante, o nervosismo nos pontos de bloqueio era evidente. “A gente vivia a todo momento na tensão, em todos os bloqueios eram ânimos exaltados, não deixavam a gente passar”, conta. Para conseguirem atravessar esses pontos, além da troca de veículos e das passagens pelo meio dos manifestantes a pé, os amigos ainda tiveram de pagar uma espécie de ‘pedágio’, de 10 bolivianos, a moeda corrente do país. No total, Danilo estima ter gastado cerca de R$ 75 nessas passagens.

O caminho até a fronteira continuou com percalços. Segundo Danilo, os estudantes passaram por incontáveis bloqueios, caminhando por trechos de mais de 500 metros na lama, barro e chuva. Ainda assim, as cidades bolivianas foram ficando para trás. Em Águas Calientes, os amigos pararam para almoçar em uma pensão na beira da estrada. Depois, passaram por Limonzito e Roboré, até pegarem outro carro para chegarem em Porto Quijarro, cidade que faz divisa com Corumbá, em Mato Grosso do Sul. No total, eles pegaram 5 mototáxis e 20 carros, entre caronas e vans.

Danilo e amigas almoçam no município de Águas Calientes, na Bolívia, antes de chegarem na fronteira com o Brasil — Foto: Danilo Arguelho/Arquivo Pessoal

Danilo e amigas almoçam no município de Águas Calientes, na Bolívia, antes de chegarem na fronteira com o Brasil — Foto: Danilo Arguelho/Arquivo Pessoal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Uma resposta para “Estudante brasileiro de Medicina na Bolívia faz uma aventura para chegar ao Brasil”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =