Campo Grande, 23 de setembro de 2021

Líder da direita radical na Bolívia anuncia candidatura à Presidência

LA PAZ — O líder da direita radical da Bolívia, Luis Fernando Camacho , anunciou na  sexta-feira que concorrerá à Presidência da República, após apresentar sua renúncia do comando do Comitê Cívico de Santa Cruz , associação de empresários da mais rica província boliviana. Nas últimas semanas, Camacho deixou uma posição de quase anonimato político para se tornar uma das figuras mais proeminentes do movimento que culminou na renúncia de Evo Morales , no dia 10 de novembro.

Em sua carta de demissão do comitê, o líder opositor disse que, durante a greve de 21 dias que comandou contra o ex-presidente, era “necessário” afirmar que não seria candidato para atrair apoio ao movimento. Ele disse ainda “não falta com a sua palavra” ao anunciar sua candidatura, porque, na ocasião, isso fazia parte de uma estratégia.

“Muitas pessoas com interesses particulares não teria apoiado [o movimento] ou teriam reservas, eu lhes asseguro, porque vivi isso em minha própria pele, em várias ocasiões. Eles teriam boicotado intencionalmente nossa luta se pensassem que esta cruzada democrática geraria novas lideranças”, diz a carta.

O comunicado se encerra expressando sua “decisão de se candidatar à Presidência da Bolívia nas próximas eleições”. Camacho já havia expressado que pretendia ser candidato na terça-feira, mas na ocasião vinculou a ideia à formação de uma frente única ao lado de Marco Pumari, líder cívico de Potosí, região rica em lítio.

O anúncio contraria diversas declarações públicas feitas durante os protestos que puseram fim aos quase 14 anos de mandato de Morales. No dia 8 de novembro, por exemplo, ele disse em uma postagem no Facebook que “não sou candidato, nem serei! Me dá asco ver os interesses pessoais prevalecerem aos de uma nação!”.

Conhecido como “Macho Camacho”, o líder opositor comandava o Comitê Cívico de Santa Cruz, formado por cerca de 200 entidade, desde fevereiro deste ano. Conservador, sem partido e católico fervoroso, o advogado, ex-professor universitário e empresário teve diversas de suas atitudes classificadas como golpistas por opositores e observadores independentes, como fazer um chamado para que forças militares e policiais tirassem Morales do poder.

Entrevista: ‘Camacho canalizou insatisfação, mas não liderou movimento contra Morales’, diz socióloga brasileira

Camacho tomou atitudes vistas como golpistas por opositores e observadores independentes, como fazer um chamado para que forças militares e policiais tirassem Morales do poder. O líder indígenarenunciou no dia 10 de novembro , após receber “sugestão” para que o fizesse do chefe das Forças Armadas . No mesmo dia da renúncia, Morales havia  proposto a realização de novas eleições, mas o aceno foi rejeitado pela oposição. Desde então, ele exilou-se no México.

Novas eleições

Diversas lideranças do Movimento ao Socialismo (MAS), o partido de Morales, também renunciaram aos cargos, incluindo os presidentes da Câmara e do Senado. Alegando que seria a próxima na linha de sucessão constitucional, a segunda vice-presidente do Senado, Jeanine Áñez,autoproclamou-se presidente . De acordo com a Constituição do país, em caso de renúncia presidencial o chefe de Estado interino deve ser aprovado em sessão conjunta da Câmara e do Senado, o que não ocorreu.

Na semana passada, Áñez promulgou uma lei para a realização de novas eleições gerais, às quais Morales não poderá concorrer, uma vez que a Constituição de 2009 só permite uma reeleição. Para disputar mais um mandato — ele cumpria o segundo sob a atual Carta — Morales tentou primeiro mudar a Constituição, mas a proposta foi rejeitada em referendo em 2016. Depois, ele alegou que disputar era seu “direito humano”, tese que foi aceita pelo Tribunal Constitucional do país.

Veja : Violações de direitos na Bolívia demandam investigação internacional, diz chefe de comissão interamericana

As regras para as novas eleições aprovadas com o apoio dos congressistas do Movimento ao Socialismo (MAS), partido de  Morales  , preveem a renovação do Supremo Tribunal Eleitoral (TSE), o registro de eleitores e a participação de todas as forças políticas. A votação deve acontecer até 120 dias após a formação do novo tribunal eleitoral.

Desde que o pleito ocorreu, 33 pessoas morreram no país  — primeiro em manifestações contra Morales e, agora, em favor do ex-presidente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − 4 =