Campo Grande, 23 de maio de 2022

Há 30 anos, Zico se despedia do Maracanã em duelo do Flamengo contra combinado de craques

Zico fez seu último jogo oficial como atleta do Flamengo no dia 2 de dezembro de 1989, na goleada por 5 a 0 sobre o Fluminense, em Juiz de Fora, em partida válida pelo Brasileiro. Mas o Galinho merecia uma despedida também em seu “quintal”, o Maracanã. O adeus do camisa 10 aconteceu há 30 anos, no dia 6 de fevereiro de 1990, em um amistoso contra um combinado de grandes estrelas nacionais e internacionais. O placar foi 2 a 2, mas o resultado foi o que menos importou.

Zico - despedida do Maracanã em 1990 — Foto: Reprodução

Zico – despedida do Maracanã em 1990 — Foto: Reprodução

Confira no fim da matéria a crônica de Armando Nogueira sobre a despedida

Quando os outros jogadores já estavam perfilados, o Galinho entrou no gramado sozinho, pelo vestiário dos árbitros, e foi saudado com um show de raios laser e 40 mil lenços brancos na arquibancada. Ao todo, 95.451 rubro-negros testemunharam o adeus do maior ídolo da história do clube.

No primeiro tempo, Zico jogou ao lado dos companheiros da conquista do Mundial de 81 contra craques como Falcão, Mario Kempes, Rummenigge e Breitner. Ao fim dos primeiros 45 minutos, o placar foi 1 a 1. Fernando marcou para o Flamengo, e Cláudio Adão para o combinado.

Na segunda etapa, o camisa 10 atuou ao lado do então time do Flamengo, que tinha nomes como Junior, Leandro e Zinho. Também houve empate em 1 a 1, com Leonardo marcando para a equipe rubro-negra, e o italiano Tarantini para o adversário. Maradona e Platini foram convidados para a festa, mas não puderam comparecer.

Zico não conseguiu deixar sua marca. Ele parou em grandes defesas do goleiro Taffarel. Mas a torcida não ficou triste. Era o momento de agradecer pelos 508 gols feitos nas 732 partidas que disputou pelo Flamengo. Durante a volta olímpica, os rubro-negros cantaram “Por que parou? Parou por quê?”.

Jornal o Globo destacou a despedida do Galinho em 1990 — Foto: Reprodução

Jornal o Globo destacou a despedida do Galinho em 1990 — Foto: Reprodução

O jogador Pintinho, então com 14 anos, recebeu das mãos do craque um par de chuteiras. Houve também um show artistas rubro-negros como Jorge Ben Jor e Bebeto, além de Morais Moreira, que morreu no último dia 13 de abril.

Depois da despedida no seu palco preferido, Zico foi fazer história também no Japão na reta final de sua carreira.

– Ao lembrar aquela noite o que mais me marcou foi a força da torcida. Não me canso de agradecer pelo carinho que tive em toda a minha carreira e que naquele dia pude sentir com muita intensidade. Até hoje encontro pessoas que têm o ingresso guardado, que fazem questão de dizer que estiveram lá. Uma festa que vale a pena lembrar, apesar de ter sido minha despedida, porque estava muito maduro de que era o momento de parar. Vinha me preparando. Quis o destino que eu voltasse a jogar, mas, como sempre digo, no Japão foi diferente – resumiu Zico em seu site oficial.

Ingresso da despedida de Zico como jogador do Flamengo no Maracanã — Foto: Reprodução

Ingresso da despedida de Zico como jogador do Flamengo no Maracanã — Foto: Reprodução

Flamengo 2 x 2 World Cup Masters

FLAMENGO 81: Raul (Cantarele), Nei Dias, Leandro, Marinho e Júnior; Andrade, Adílio e Zico; Tita, Nunes e Lico.

WORLD CUP MASTERS I: Taffarel, Gentile, Edinho, Krol e Breitner; Falcão, Causio e Mario Kempes; Valdano (Hansi Muller), Roberto Dinamite e Rummenigge. TÉCNICOS: Sebastião Lazaroni, Telê Santana, Edu Coimbra e Carlos Alberto Torres.

GOLS: Fernando (FLA) – 8’/2ºT, Cláudio Adão (WCM) – 12’/2ºT, Tarantini (WCM) – 34’/2ºT e Leonardo (FLA) – 35’/2ºT

FLAMENGO 90: Zé Carlos, Leandro (Júnior Baiano), Júnior (Uidemar), Fernando e Leonardo; Aílton, Edu e Zico; Renato, Bujica e Zinho.

WORLD CUP MASTERS II: Taffarel, Gerets, Camacho, Edinho e Tarantini; Madjer, Hansi Muller e Mário Kempes; Messey, Claudio Adão e Bebeto. TÉCNICOS: Sebastião Lazaroni, Telê Santana, Edu Coimbra e Carlos Alberto Torres.

A crônica de Armando Nogueira no O Globo para a despedida de Zico:

A última noite de Zico

A bola é uma flor que nasce nos pés de Zico com cheiro de gol

Maracanã, enfeita de bandeiras tuas arquibancadas que hoje é dia de festa no futebol. Encomenda um céu repleto de estrelas. Convida a lua (de preferência, a lua cheia). Veste roupa de domingo nos teus gandulas. Põe pilha nova no radinho do geraldino. E, por favor, não esquece de regar a grama (de preferência, com água-de-cheiro).

Passei uma semana vendo e revendo no teipe aquele instante mágico de um corpo em harmonioso movimento com o tempo e com o espaço. E a bola, coladinha no pé, parecia amarrada no cadarço da chuteira. Um gol de enciclopédia. Se o amável leitor aceita uma sugestão, dou-lhe esta: escolha um dos gols que Zico fez graças à sua arte singular de chutar bola parada.

Chutar a bola de falta à entrada da área é um talento que Deus lhe deu mas não de mão beijada, como imaginam os desavisados. Zico trabalhou seriamente, anos e anos, para alcançar a perfeição dos efeitos sublimes. À tardinha, quando terminava o treino, ele costumava ficar sozinho no campo do Flamengo – ele, uma barreira artificial, uma bola e uma camisa caprichosamente pendurada no canto superior das traves. A camisa era o alvo.

Zico passava horas sem fim, chutando rente à barreira e derrubando a camisa lá de cima das traves. Chegava o domingo, na cobrança da falta, a bola já estava cansada de saber onde ela tinha que entrar. Não tenho dúvida em dizer que tardará muito até que apareça alguém que domine como Zico o dom de cobrar falta ali da meia-lua.

Celebremos, querido torcedor, a última noite do maior artilheiro da história do Maracanã. Será uma despedida de apertar o coração. Se te der vontade de chorar, chora. Chora sem procurar esconder a pureza da tua emoção. Basta uma lágrima de amor para imortalizar o futebol de um supercraque.

Cantemos, Maracanã, teu filho ilustre, relembrando em comunhão os dribles mais vistosos, os passes mais ditosos, os gols mais luminosos desse fidalgo dos estádios que tem uma vida cheia de multidões.

Louvemos o poeta Zico que jogava futebol como se a bola fosse uma rosa entreaberta a seus pés.

Armando Nogueira

Crônica de Armando Nogueira para a despedida de Zico — Foto: Reprodução

Crônica de Armando Nogueira para a despedida de Zico — Foto: Reprodução

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quinze − catorze =